MENU

CUT repudia agressão a jornalistas das TVs Aparecida e Vanguarda

No dia de Nossa Senhora Aparecida, bolsonaristas agrediram jornalistas que faziam a cobertura da festa cristã e da ida do presidente candidato ao local do evento

Publicado: 13 Outubro, 2022 - 16h37 | Última modificação: 13 Outubro, 2022 - 18h46

Escrito por: CUT Nacional

Reprodução
notice

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) se solidariza com os trabalhadores e as trabalhadoras da TV Aparecida e da TV Vanguarda, que foram covardemente hostilizados por apoiadores do presidente Bolsonaro na tarde desta quarta-feira (12), durante as celebrações do dia de Nossa Senhora Aparecida, em frente a Basílica de Aparecida, no estado de São Paulo.

Os jornalistas e cinegrafistas das duas emissoras estavam cobrindo as festividades previstas pela igreja e também a presença do presidente, candidato à reeleição, no evento quando foram surpreendidos por uma turba de bolsonaristas, alguns portando copos de bebidas, que enfurecidos encurralaram os funcionários das emissoras. Houve tentativas de agressão, que só não aconteceu pela pronta ação dos seguranças e da polícia. A partir daí, os trabalhadores e trabalhadoras foram alvos de todo tipo de agressão verbal e impedidos de continuar a cobertura que vinham fazendo.

Embora esses acontecimentos tenham ganhado repercussão nesse momento, a violência tem sido recorrente durante todo o mandato desse presidente que tenta a toda hora atacar os valores democráticos da nossa constituição relativa à liberdade de expressão, de imprensa e de manifestação.

A CUT ao longo desses quatro anos de gestão vem denunciando o comportamento do presidente que tenta calar as vozes da oposição, da sociedade civil, dos meios de comunicação e dos movimentos sindical e sociais através da intimidação e a violência.

A CUT repudia de forma veemente todo e qualquer tipo de agressão e/ou tentativa de intimidação ao trabalho da imprensa, que é garantida na nossa constituição.

A CUT repudia também as tentativas de utilização da fé e da religião como forma de manipulação eleitoral.

Exigimos que as autoridades competentes possam tomar as devidas providências para que tais fatos não se repitam.

São Paulo, 13 de outubro de 2022.

Executiva Nacional da CUT