• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT denuncia ataque fascista contra o acampamento Lula livre

Em nota, CUT denuncia aumento da escalada de violência contra trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade desde o golpe de 2016, sem que

Publicado: 28 Abril, 2018 - 13h12 | Última modificação: 28 Abril, 2018 - 13h17

Escrito por: CUT Nacional

Gibran Mendes
notice

A escalada de violência, intolerância e ódio contra todos que são solidários ao ex-presidente Lula chegou ao auge de barbaridade na madrugada deste sábado (28), quando provocadores fascistas deram vários tiros contra trabalhadores e trabalhadoras de todo o Brasil que estão no acampamento Marisa Letícia, em Curitiba. 

O acampamento, instalado nas proximidades da sede da Superintendência da Polícia Federal da capital paranaense, desde o dia 7 de abril, em solidariedade a Lula, denuncia o fato de que o ex-presidente é um preso-político, um inocente colocado em uma solitária, em mais uma tentativa golpista de impedir que Lula seja eleito presidente do Brasil.

Os disparos atingiram dois militantes. Uma companheira foi ferida por estilhaços e um companheiro ficou gravemente ferido, com um tiro no pescoço e está internado na UTI de um hospital local.

O ataque e a violência armada acontecem às vésperas  do 1º de Maio Unificado, com todas as centrais sindicais e movimentos populares unidos na defesa e pela liberdade de Lula e dos direitos sociais e trabalhistas, que acontecerá em Curitiba. Será o maior primeiro de Maio da história do Paraná. E será em apoio à LULA LIVRE! 

A tentativa de calar a bala os trabalhadores e trabalhadoras acontece também depois que  novas pesquisas eleitorais confirmaram que Lula lidera as intenções de voto em todo o país, em todos os cenários pesquisados, e pode ganhar já no primeiro turno as eleições presidenciais deste ano. 

A partir do golpe de Estado, a violência e os assassinatos de trabalhadores e trabalhadoras têm aumentado em todo Brasil, sem que o governo golpista determine sequer a apuração dos fatos,  com a cumplicidade das polícias estaduais e federal. Se as polícias não conseguem prender sequer os assassinos da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, imagine a violência em outras regiões do Brasil onde não tem o contingente policial enviado ao Rio?

A CUT tem tido grande participação na organização e manutenção do acampamento, portanto, tem toda autoridade para denunciar, ao Brasil e ao mundo, este aumento da violência contra a candidatura de Lula e contra as conquistas da classe trabalhadora.  

Nenhum direito a menos!

Conclamamos o povo do Paraná, os democratas e os comprometidos com a Liberdade e os Direitos Democráticos a defender a libertação de Lula, defender o direito de Lula ser candidato e o direito de o povo participar em paz e em segurança tanto no acampamento como do 1º. de Maio Unificado. A palavra final sempre deve ser do Povo Brasileiro.

Lula Livre!

Chega de provocações, chega de violência armada , chega de manipulação jurídica.

Todo apoio a Lula e aos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil!

São Paulo, 28 de abril de 2018

Central Única dos Trabalhadores