• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CPI da Covid aprova quebra de sigilos de Pazuello, Araújo e do gabinete paralelo

Além dos ministros e do pessoal do gabinete paralelo que orientava Bolsonaro sobre ações na pandemia, como compra de vacinas e uso da cloroquina, tem empresas de propaganda na lista

Publicado: 10 Junho, 2021 - 14h36 | Última modificação: 10 Junho, 2021 - 15h44

Escrito por: Redação CUT

Edilson Rodrigues/Agência Senado
notice

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, que apura ações e omissões do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) no combate à pandemia do novo coronavírus, aprovou nesta quinta-feira (10), 23 requerimentos de quebra de sigilos de pessoas e empresas.

Foram quebrados os sigilos do ex-ministro da Saúde general Eduardo Pazuello, do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, do empresário Carlos Wizard (um dos consultores informais do governo), da coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI), Francieli Fontana Fantinato, e do auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Alexandre Figueiredo Marques, apontado como autor de um estudo falso sobre a quantidade de óbitos por Covid-19. Veja restante da lista no final do texto.

Também foram aprovadas as transferências de sigilo bancário e fiscal das empresas PPR – Profissionais de Publicidade Reunidos; Calya/Y2 Propaganda e Marketing; e Artplan Comunicação.

Além do sigilo telefônico, que inclui o registro e a duração de todas as ligações feitas e recebidas conforme período delimitado pelos senadores, foi aprovada também a quebra do  sigilo telemático, que inclui informações como cópias do conteúdo armazenado, lista de contatos, cópia de e-mails e localizações de acesso à conta.

Veja quem mais teve o sigilo quebrado

  • Filipe Martins, assessor internacional da Presidência da República;
  • Zoser Hardman, ex-assessor especial do Ministério da Saúde;
  • Túlio Silveira, representante da Precisa Medicamentos;
  • Paolo Zanotto, biologista;
  • Marcellus Campêlo, ex-secretário de Saúde do Amazonas;
  • Luciano Dias Azevedo, médico;
  • Hélio Angotti Neto, Secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde;
  • Francisco Ferreira Filho, Coordenador do Comitê da Crise do Amazonas;
  • Francisco Emerson Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos;
  • Flávio Werneck, ex-assessor de Relações Internacionais do Ministério da Saúde;
  • Antônio Elcio Franco Filho; ex-secretário Executivo do Ministério da Saúde;
  • Camile Giaretta Sachetti, ex-diretora do departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde;
  • Arnaldo Correia de Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde;
  • Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde.

Foi aprovada também a quebra de sigilo da Associação Dignidade Médica de Pernambuco, que divulgou uma nota em que critica a uso de máscara e a vacinação, e defende o tratamento precoce, mesmo que cientistas tenham comprovado que não há eficácia.

Com informações da Agência Senado.