• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Bancários repudiam charge do jornal A Tarde (BA) que ofende trabalhadores da Caixa

Ilustração, publicada na edição de quarta-feira (25), que compara o empregado da Caixa com um bicho preguiça, causa indignação; representantes dos trabalhadores esperam retratação

Publicado: 27 Novembro, 2020 - 09h23 | Última modificação: 27 Novembro, 2020 - 09h47

Escrito por: Contraf-CUT

Contraf-CUT
notice

A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e sindicatos de bancários manifestaram repudio à publicação, na última quarta-feira (25), de uma charge no jornal A Tarde, na Bahia, que compara os trabalhadores da Caixa Deferal a um bicho-preguiça. 

Para a Contraf-CUT, a comparação preconceituosa não condiz com a realidade dos trabalhadores e trabalhadoras da Caixa que vêm se dedicando intensamente para atender a população e fazem parte da linha de frente contra a pandemia, sem o reconhecimento da sociedade como outras categorias, que se expõem bravamente diariamente ao vírus desde que a pandemia se iniciou.

“A charge não representa os bancários da Caixa e sim o preconceito do grupo do jornal A Tarde não só em relação aos empregados do serviço público, mas também em relação à população mais vulnerável que, sem outra alternativa, precisa buscar o auxílio emergencial, dado à gravidade do momento de crise causada pela pandemia da Covid-19, se expondo, inclusive ao risco de contaminação. É lamentável nos depararmos com uma visão tão pequena da realidade do nosso país”, destacou Juvandia Moreira, presidenta da Contraf-CUT.

A entidade lamenta a forma como a ilustração apresenta os empregados da Caixa, sendo retratados de forma mentirosa e desrespeitosa, num momento em que prestam um serviço essencial à população, arriscando suas vidas e de seus familiares, trabalhando inclusive aos sábados, para atender milhões de brasileiros e brasileiras.
Segundo dados divulgados pela Dataprev, aproximadamente 58% dos cidadãos do país – 124,2 milhões de pessoas – estão sendo beneficiados direta ou indiretamente.

Fabiana Uehara Proscholdt, coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa e secretária de Cultura da Contraf-CUT lembra os trabalhadores que estão na linha de frente, neste momento tão crítico, devem ser respeitados.

“Esperamos que o jornal A Tarde se retrate. Graças aos empregados da Caixa, trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos, desempregados e a população de baixa renda estão recebendo regularmente o Auxílio Emergencial. Sabemos que o grande causador destas imensas filas não é o funcionário do banco público, mas sim o Governo Federal, que concentrou os pagamentos na Caixa, eximindo as demais instituições financeiras de exercerem um necessário papel social e imprescindível neste momento de grave crise”, disse Fabiana, que ainda citou os problemas do sistema de cadastro para recebimento do auxílio e o próprio sistema do banco como responsáveis pela fila.

Vale ressaltar também que o Auxílio Emergencial é fruto de uma intensa pressão política e social, já que o atual governo propôs o pagamento de apenas R$ 200, limitado a trabalhadores informais. Mesmo após a proposta de R$ 600 ser aprovada no Congresso, houve uma demora de quase um mês entre o início das medidas de distanciamento social, em março, e os primeiros pagamentos.

As aglomerações e o tempo de atendimento também poderiam ser menores, caso a Caixa não tivesse enfrentando redução do número de agências e fechamento de postos de trabalho.

A Contraf-CUT se solidariza com todos os empregados da Caixa, visto que mesmo sobrecarregados, continuam prestando um excelente serviço à sociedade, arriscando suas vidas e de seus familiares. É extremamente ofensivo que o compromisso com a sociedade vulnerável seja tratado com tanto desprezo ridicularizando pessoalmente cada empregado.