• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Condenada por calúnia contra Marielle, desembargadora é eleita no TJ Rio

Marília de Castro Neves espalhou informações falsas contra vereadora e pediu "paredão" para Jean Wyllys

Publicado: 02 Dezembro, 2020 - 10h14 | Última modificação: 02 Dezembro, 2020 - 10h17

Escrito por: Brasil de Fato

Divulgação
notice

A desembargadora Marília de Castro Neves Vieira foi eleita, na última segunda-feira (30), membro do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ). Em outubro, Marília foi condenada pelo próprio TJ a pagar indenização por danos morais à família da ex-vereadora Marielle Franco (Psol), assassinada há dois anos.

Nas redes sociais, após o assassinato de Marielle no dia 14 de março de 2018, a desembargadora disseminou informações falsas ao afirmar que a vereadora havia sido "eleita pelo tráfico de drogas" e que era "engajada com bandidos".

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio é composto por 25 desembargadores e uma das funções dele é julgar autoridades que possuem foro privilegiado.

Além das acusações falsas contra a vereadora, Marília também defendeu o “paredão” para o ex-deputado Jean Wyllys e, em um grupo fechado do Facebook, fez ofensas contra uma professora que tem síndrome de Down. “O que essa professora ensina a quem? (...) Esperem um momento que eu fui ali me matar e já volto, tá?”, escreveu a desembargadora.

Nas redes sociais, o deputado estadual Flávio Serafini (Psol) expressou revolta com a eleição de Marília e disse que sua equipe está avaliando se é possível "reverter este absurdo". "É simplesmente repugnante que a desembargadora que caluniou Marielle Franco e sugeriu paredão para Jean Wyllys seja aprovada para o órgão especial do TJ", disse o parlamentar.