• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com pandemia descontrolada, complicações causadas pelo kit covid começam a aparecer

Brasil tem média de quase 100 mil novos diagnósticos por dia, muitos deles graves, e médicos afirmam que o kit covid pode agravar as consequências da Covid-19 e levar à morte 

Publicado: 26 Março, 2021 - 11h58 | Última modificação: 26 Março, 2021 - 12h12

Escrito por: Redação CUT

Silvio Avila/HCPA
notice
Imagem do CTI do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) lotado no inicio do mês

 

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) segue ignorando a ciência, sugerindo medicamentos que, ao invés de prevenir ou tratar a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, pioram a saúde dos pacientes e contribuem até para aumentrar o número de mortos, a pandemia segue descontrolada no Brasil.

Em 24 horas, entre a quarta e a quinta-feira (25), o país registrou mais 2.639 mortes, totalizando 303.726 vidas perdidas desde o inicio da pandemia no ano passado.

A média móvel de mortes no país nos últimos sete dias chegou a 2.276, variação de +29% em comparação à média de 14 dias atrás, de acordo com cálculos do consórcio de imprensa.

Há 64 dias seguidos o país registra média móvel de mais de mil mortes por dia, e há nove dias a média está acima de duas mil vidas perdidas por dia.

O número de novos diagnósticos também não para de crescer. Em 24 horas foram registrados quase 100 mil novos casos da doença, totalizando 12.324.765 pessoas contaminadas desde fevereiro de 2020.

Aumento do número de mortes pode ter como causa o Kit Covid

Apesar do caos, e mesmo com evidências científicas de que o chamado “tratamento precoce”, principal estratégia de Bolsonaro para combater o coronavirus, está aumentando o número de mortes de pacientes graves e levando outros à fila de espera por transplante de órgãos como fígado e rins, vários médicos continuam prescrevendo remédios como hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina. Nenhum deles funciona contra a Covid-19. A ciência comprovou, a Organização Mundial da Saúde (OMS), inclusive, já alertou para efeitos adversos.

Médicos contrários ao uso do medicamento por não terem eficácia comprovada alertam que quando usados em doses inadequadas e contínuas, ou por pessoas com algumas doenças prévias, esses remédios podem causar efeitos graves como insuficiência renal, arritmia e hepatite medicamentosa, que são lesões no fígado, órgão que metaboliza drogas, ou agravar as consequências da Covid-19 e levar à morte.

À BBC News Brasil, médicos de hospitais de referência  afirmaram que a defesa e o uso do "kit covid" contribui de diferentes maneiras para aumentar as mortes no país.

Para 15% a 20% das pessoas que contraem a forma grave da doença e precisam de internação, essas drogas podem prejudicar o tratamento no hospital e contribuir para a morte de pacientes, disse à reportagem da BBC o médico intensivista Ederlon Rezende, coordenador da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo.

"É nesses pacientes que os efeitos adversos dessas drogas ocorrem com mais frequência e esses efeitos podem, sim, ter impacto na sobrevida", disse o médico, que é ex-presidente da Associação de Medicina Intensiva Brasileira.

O "Kit covid" também mata de maneira indireta, ao retardar a procura de atendimento, absorver dinheiro público que poderia ir para a compra de medicamentos para intubação, e ao dominar a mensagem de combate à pandemia, enquanto protocolos nacionais de atendimento sequer foram adotados, complementaram médicos intensivistas do Hospital das Clínicas, Albert Einstein e Emilio Ribas.

Além disso, têm as sequelas de quem consegue sobreviver. De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, o Hospital das Clínicas da Unicamp constatou que uma pessoa saudável desenvolveu hepatite medicamentosa após contrair o coronavírus em dezembro e ser medicada com as drogas do “kit Covid”. Esse paciente entrará para a lista de transplante de fígado, segundo Ilka Boin, professora da Unicamp e diretora da unidade de transplante hepático da universidade.