• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com média de mortes acima de 500, Brasil ultrapassa 589 mil vidas perdidas por Covid

Com o avanço da Delta no país, em 24 horas o Brasil registrou 35.128 novos casos da doença - a maior alta em quase um mês. Apesar disso, Bolsonaro mandou suspender a vacinação de jovens sem comorbidades

Publicado: 17 Setembro, 2021 - 12h34 | Última modificação: 17 Setembro, 2021 - 15h40

Escrito por: Redação CUT

Lucas Silva/Secom Acre
notice

Apesar da média móvel de mortes no Brasil continuar acima de 500 por dia e o total de casos continuar crescendo, o governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) continua atrapalhando as ações de combate à pandemia do novo coronavírus nos estados e municípios. Nesta quinta-feira (16), atendendo ordem de Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, mudou regras da campanha de imunização e passou a recomendar que adolescentes sem comorbidade não sejam vacinados, ao contrário do que estão fazendo vários países do mundo.

A vacinação foi interrompida em Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Maceió, Natal, Manaus e Salvador. As demais capitais decidiram manter a imunização desse grupo, como Rio de Janeiro e São Paulo, ou estão com indefinição em relação ao tema.

Já na Bahia, a prefeitura de Salvador seguiu a recomendação do ministério e suspendeu na manhã desta quinta a vacinação de adolescentes entre 12 e 17 anos.

Enquanto o governo segue negando a ciência, o  Brasil registrou em 24 horas 637 mortes por Covid-19 nesta quinta-feira (16) e o total de óbitos chegou a 589.277 desde o início da pandemia. No mesmo período, foram registrados 35.128 novos casos, é a maior alta em quase um mês e o total de infectados foi para 21.067.396 desde o ano passado.

Apenas os estados de Rondônia e Piauí aparecem com tendência de alta nas mortes. Já o Acre, Amazonas, Amapá, Roraima e Sergipe não registraram mortes em seus boletins nesta quinta.

O estado de São Paulo registrou um total de 22.678 novos casos da doença, foi o maior registro em um dia desde 22 de junho deste ano (23.097). Segundo a secretaria de Saúde estadual, o aumento se justifica por causa de um ajuste no sistema que centraliza os dados que reviu os dados do início da pandemia até julho deste ano. Afirmam que o problema na base de dados não prejudicou a contagem de mortos.

Em todo o país, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias ficou em 582 - acima da marca de 500 pelo terceiro dia seguido, segundo o novo levantamento do consórcio de imprensa. Já a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi de 15.592 por dia.

Delta avança em SP

Segundo a prefeitura de São Paulo, uma análise feita em amostras de testes de coronavírus na cidade mostrou que 91,9% dos casos são correspondentes à variante Delta.

Os dados mostram que, na capital, há 1.921 casos desde que a variante originária da Índia foi confirmada na cidade, em julho. Outros 7,8% das amostras identificadas são da variante Gama, que surgiu no Brasil.

A pesquisa foi realizada pela Prefeitura em parceria com o Instituto Butantan, o Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP) e o Instituto Adolfo Lutz.

A Prefeitura ressalta ainda que o aumento da prevalência da variante não se converteu no aumento no número de infectados em São Paulo devido à vacinação, mas, mesmo assim, as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) passarão a realizar a testagem de quem comunicar sintomas da Covid-19 com testes de antígenos para que a variante possa ser identificada.

“A medida é fundamental para entender o cenário atual do comportamento da Covid-19 e evitar a expansão dos casos na cidade de São Paulo”, diz a Prefeitura.

Vários países do mundo vacinam adolescentes menores de 18 anos

Enquanto o Ministério da Saúde recomenda que adolescentes sem comorbidades não sejam vacinados, vários países estão vacinando seus adolescentes e crianças.

Na Europa, diversos países começaram a vacinar seus adolescentes depois que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou em maio a vacina Pfizer para adolescentes de 12 a 15 anos.

Dinamarca já vacinou a maioria de sua população jovem, de 12 a 15 anos, com pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19.

Na Espanha a maioria da população de 12 a 19 anos já estão com ao menos uma dose.

Já na França, 66% dos jovens de 12 a 17 anos foram vacinados com uma dose, e 52% estão totalmente vacinados.

Na Suécia, adolescentes de 12 a 15 anos só são elegíveis para a vacina se tiverem doença pulmonar, asma grave ou outra condição médica de alto risco.

Na Noruega, a vacinação foi recentemente estendida para crianças de 12 a 15 anos, mas apenas a primeira dose será oferecida.