• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com Macri, Argentina é a economia mais vulnerável do mundo

Política econômica do país vizinho leva agências internacionais de classificação de risco a rebaixar níveis de confiança. Argentinos reprovam e culpam Macri pela pobreza, desemprego e inflação alta

Publicado: 26 Julho, 2019 - 12h28 | Última modificação: 26 Julho, 2019 - 12h56

Escrito por: Andre Accarini

reprodução
notice

A política neoliberal do governo de Maurício Macri,  elogiada pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), colocou a Argentina no primeiro lugar do ranking de ‘economia mais vulnerável do mundo’.

O ranking é feito pela Bloomberg, que analisa a situação econômica de 20 países. Em segundo lugar está a Turquia, também governada por um presidente de direita, Recep Tayyip Erdogan, como os outros, adepto de medidas de arrocho contra a classe trabalhadora.

A classificação acontece no mesmo momento em que Macri tenta a reeleição, apesar de ser reprovado e acusado pela população argentina pelo aumento da pobreza pelas medidas que prejudicam a população, como aumento de tarifas de serviços básicos e transportes, demissões em massa e retirada de direitos.

Bolsonaro, que tenta implementar a mesma política econômica que deu errado com Macri, já foi à Argentina duas vezes para apoiar a reeleição do colega rejeitado pelo povo.

Marcelo Camargo/Agência BrasilMarcelo Camargo/Agência Brasil

 

O ranking

Os principais fatores analisados pelo grupo Bloomberg para elevar a Argentina ao topo das economias mais ‘perigosas’ do planeta são a dívida externa maior do que o Produto Interno Bruto (PIB) do país; aumento da inflação, que chegou a 55,8% em junho deste ano, muito acima das metas estabelecidas pelo governo; déficit de reservas monetárias de 2% do PIB (o Brasil já tem 1,7%); e ‘baixas reservas internacionais’, que são ativos em moeda estrangeira e funcionam como uma espécie de seguro para cumprir obrigações futuras e enfrentar crises cambiais.

Além da crise econômica, a instabilidade política da Argentina levou outra agência de classificação de risco - a Moody´s - a considerar a Argentina um país que oferece riscos ao mercado. O vice-presidente da Moody´s, Gersan Zurita, afirmou que “a alta inflação e a crescente incerteza política, colocará vários setores da economia em risco”.

Oito províncias argentinas, a capital federal e o munícipio de Córdoba receberam avaliação de crédito “negativa” pela agência, na semana passada, o que representa uma piora nas expectativas sobre o futuro do país. Dez estatais argentinas também receberam a mesma avaliação.

 

Política econômica recessiva

A política econômica do presidente argentino resultou em estagnação, níveis elevados de inflação, diminuição do poder de compra e uma taxa de juros que hoje passa os 74%. O secretário adjunto de Relações Internacionais da CUT, Ariovaldo Camargo explica que esses fatores “inviabilizam manter a atividades das pequenas e médias empresas, que são responsáveis por 80% do emprego no país”.

O resultado é uma recessão que já dura dois anos e tem feito o país recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para saldar suas obrigações e se submeter a imposições econômicas (do FMI) que penalizam trabalhadores e trabalhadoras, agravam problemas sociais e priorizam o capital.

Contra os retrocessos promovidos por Macri, o povo argentino fez, em 29 de maio de 2019, a maior paralisação da história da Argentina, com adesão de diversas categorias.

Twitter @EdgardotlsurTwitter @Edgardotlsur

 

* Com informações do Pagina12