• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com explosão de casos e mortes por Covid-19, Brasil enfrenta falta de leitos de UTI

País tem mais de 209 mil vidas perdidas pelo novo coronavírus e 8.483.105 mil casos da doença. Apesar do aumento SUS desativou 3 mil leitos de UTIs

Publicado: 18 Janeiro, 2021 - 11h46 | Última modificação: 18 Janeiro, 2021 - 12h25

Escrito por: Redação CUT

EBC
notice

Em meio ao aumento de casos e mortes por Covid-19 em alta em 11 estados, o Brasil desativou mais de três mil dos novos leitos de Unidades de Terapia Intensivas (UTIs) do Sistema Único de Saúde (SUS) entre julho e outubro de 2020. Mais de 209 mil pessoas já perderam a vida no país em decorrência da doença em menos de um ano, o equivale a toda a população da cidade de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro.

O Brasil vem registrando uma explosão de casos de Covid-19 depois das aglomerações em festas de final de ano. Especialistas têm alertado para a falta de leitos após o encerramento de  hospitais de campanha, desativados em muitos estados e que vem pressionando o sistema de saúde.

Cerca de 21.651 vagas criadas durante a primeira onda da pandemia do novo coronavírus, 12% do total, foram fechadas, de acordo com o levantamento do jornal Folha de São Paulo.

Só o estado do Rio de Janeiro desativou 87% dos leitos de UTIs que havia criado em função da pandemia entre os meses de fevereiro e julho.

Manaus (AM), que enfrenta um colapso no sistema de saúde e transfere pacientes para outros estados por falta de vagas nos hospitais e oxigênio, desativou, entre julho e outubro, 85% dos leitos de UTI do SUS, criados para enfrentar a covid-19. Já o estado do Amazonas desativou 117 UTIs ,das 137 criadas, de fevereiro a julho do mesmo ano.

O estado do Pará, que está estável e com volume de novos casos confirmados em alta de acordo com o consórcio de imprensa, desativou 82% dos novos leitos de UTI públicos, um total de 267 dos 324 que haviam sido criados no início da pandemia.

A Grande São Paulo também desativou os hospitais de campanha do Pacaembu e Ibirapuera. O estado vem registrado altos números de novos casos e mortes por Covid-19. As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 69,2% na Grande São Paulo e 68,3% no estado. O número de pacientes internados é de 13.480, sendo 7.587 em enfermaria e 5.893 em unidades de terapia intensiva, conforme dados desde domingo (17).

Média móvel de casos e mortes no Brasil

Até o momento, o país registrou 518 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 209.868 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos sete dias foi de 961.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 8.483.105 brasileiros já se contaminaram ou têm o novo coronavírus, sendo 26.400 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos sete dias foi de 54.040 novos diagnósticos. Tanto a média móvel de casos como de mortes vem aumentando  assustadoramente no país nos últimos dias.

Situação em Manaus

Manaus ainda transfere pacientes com coronavírus para outros estados , diante da crise que o estado do Amazonas enfrenta com a falta de leitos e oxigênio.  Mais de 12 pacientes com Covid-19, que estavam internados em hospitais da capital foram transferidos para Natal (RN) na noite deste domingo (17). O número total de pacientes transferidos para outros estados chega a 74. A expectativa do governo é levar 235 pacientes para receber atendimento fora do Amazonas.

Na tarde deste domingo (17), outros 15 pacientes embarcaram para João Pessoa (PB). Outros nove pacientes já haviam sido encaminhados à capital do estado, Teresina. Para São Luis (MA) foram transferidos  23 pacientes e outros 15 para Brasília.

Efeito Manaus pode se repetir em outros estados

O agravamento da pandemia do novo coronavírus registrado em Manaus com a falta de leitos e oxigênio para pacientes de Covid-19, é um alerta para outros estados do Brasil, de acordo com especialistas. Para eles , a falta de ação do governo federal com o aumento de casos, de leitos de UTI e de medidas de distanciamento social, que não estão sendo cumpridas, são as causas da explosão da segunda onda da doença no país.

De acordo com o médico infectologista e pesquisador da Fiocruz Amazônia, Marcus Vinícius Guimarães, o que ocorreu em Manaus é um anúncio sobre os riscos de o cenário caótico no sistema de saúde pelo país.

O Amazonas registrou 1.277 novos casos de Covid-19 neste domingo. O total de casos confirmados da doença chega a 230.644.

Nas últimas 24 horas, Manaus registrou 184 enterros. Desses, 82 foram de Covid-19. O número de mortes chega a 6.191 em todo o estado.