• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com estados reabrindo comércio, Brasil ultrapassa marca de 500 mil casos de Covid-19

Neste domingo (31) foram registrados 16.409 casos novos de Covid-19 e 480 novas mortes. Brasil já é o 2º do mundo em número deinfectados

Publicado: 01 Junho, 2020 - 12h10

Escrito por: Redação CUT

Edson Rimonatto/CUT
notice

O Brasil registrou neste domingo (31) a triste marca de 501.985 casos confirmados do novo coronavírus e já é o segundo do mundo com mais pessoas infectadas, perde apenas para os estados Unidos que têm 1.790 pessoas com a Covid-19. Em número de óbitos, com  29.314 vidas perdidas, o país ultrapassou a Espanha, que registrou 27.127 mortes, e é o 4º com mais vítimas fatais da doença.

Nos EUA morreram mais de 104 mil pessoas vítimas das complicações da doença; no Reino Unido, 38.571. Neste domingo (31) foram registrados 16.409 casos novos de Covid-19 e 480 novas mortes, segundo dados do Ministério da Saúde.

O estado de São Paulo, que se prepara para a reabertura da economia, registrou ontem 107.142 casos, um aumento de 5.586 infectados confirmados em 24h e 7.532 mortes.

Em segundo lugar, está o Rio de Janeiro, com 52.420 casos e 5.277 vidas perdidas para a Covid-19. O Ceará, em terceiro, com 46.506 casos e 2.956 mortes registradas. Amazonas e Pará terminam de compor os cinco estados mais atingidos pela pandemia no Brasil.

Reabertura precipitada

Em meio à escalada de novos casos de coronavírus, vários estados do Brasil planejam a reabertura parcial da atividade econômica nesta segunda-feira (1º). Na capital paulista, epicentro da crise no país, diversos setores terão de apresentar à Prefeitura um plano sanitário para voltar a funcionar.

No estado mais impactado pela pandemia do novo coronavírus, as flexibilizações serão possíveis para cidades que tiverem disponibilidade de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) nas redes pública e privada, redução no número de casos de Covid-19, doença provocada pelo novo vírus, com manutenção do distanciamento social nos ambientes públicos e uso obrigatório de máscaras.

Especialistas e infectologistas avaliam que a medida do governador João Doria (PSDB) para a reabertura de parte do comercio é precipitada, pois a curva ainda é de crescimento.

No Rio de Janeiro, infectologistas também alertam contra as propostas de flexibilizar as medidas restritivas da pandemia de coronavírus. Em reuniões separadas nesta segunda-feira (1º), o governador Wilson Witzel e o prefeito Marcelo Crivella definem como será a reabertura gradual da economia no estado e na capital.

O Pará inicia a retomada das atividades não essenciais nesta segunda-feira (1º). O plano de reabertura foi publicado no domingo (31) pelo governo estadual no Diário Oficial do Estado (DOE) e terá cinco etapas que devem ser colocadas em prática de acordo com o cenário da Covid-19 em cada município.

Amazonas também começa a reabertura dos comércios não essenciais em Manaus nesta segunda-feira (1º). O plano de reabertura prevê quatro ciclos: o primeiro a partir de 1⁰ de junho; o segundo em 15 de junho; o terceiro em 29 de junho e o quarto a partir de 6 de julho.

De acordo com o governo estadual, o avanço para cada etapa do ciclo dependerá da curva de casos do novo coronavírus na capital. O estado já tem mais 40,5 mil pessoas infectadas pela doença e mais de 2 mil mortes.

País ainda tem ainda 4.208 óbitos em investigação

O estado com maior número de casos e óbitos é São Paulo, onde foram registradas até o momento 109.698 ocorrências de covid-19 e 7.615 mortes. Em seguida, aparece o Rio de Janeiro, que tem 53.388 casos e 5.344 óbitos. O terceiro lugar é ocupado pelo Ceará, que acumula 48.489 diagnósticos positivos e 3.010 mortes.

Dois estados da Região Norte integram o quarto e quinto lugar em relação ao maior número de casos de covid-19:  Amazonas (41.378) e Pará (37.961). Em relação ao número de mortes, no entanto, o Pará está na frente com 2.923 óbitos. Amazonas tem 2.052 mortes.