• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com alta no Sul e Centro-Oeste, Brasil registra mais 1.367 vidas perdidas em 24h

Região Sudeste liderou os registros de óbitos de ontem para hoje, mas é no Sul e Centro-Oeste o aumento constante na média móvel de mortes por coronavírus. Salvador tem redução em ocupação de leitos de UTI

Publicado: 22 Julho, 2020 - 12h07 | Última modificação: 22 Julho, 2020 - 12h12

Escrito por: Redação CUT, com apoio da CUT-BA

Bruno Cecim/Ag.Pará
notice

Segunda nação do mundo com maior número de casos e mortes por Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, o Brasil registrou 41.008 casos de contaminação pela doença e 1.367 vidas perdidas confirmadas nas últimas 24 horas. Nas quedas de Boeings, que deixam tantos perplexos e traumatizados, morrem cerca de 1.040 pessoas. 

No total, o país já tem 81.487 mortes e 2.159.654 casos confirmados de Covid-19 desde o início da pandemia, de acordo com os dados do Ministério da Saúde. O Brasil só fica atrás apenas dos Estados Unidos, que possuem 3,8 milhões de infecções confirmadas e 141 mil óbitos, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Regiões que no início da pandemia registraram mais casos estão estabilizadas ou com reduções constantes nos números de casos e mortes, como é o caso do Ceará e da Bahia, onde a ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) vêm caindo.

Já a Região Sudeste, onde os casos explodiram no inicio da pandemia,  liderou os registros de óbitos  de ontem para hoje, mas é no Sul e Centro-Oeste onde vem sendo registrado aumento constante na média móvel de mortes por coronavírus.

Estados

A região Sudeste liderou os registros de óbitos de segunda para terça, com 606 mortes. Mas é no Sul o aumento constante na média móvel de mortes por coronavírus. Nordeste aparece em segundo lugar com 327 óbitos registrados de segunda para terça-feira (21). Já a região Sul contabilizou 166, enquanto o Centro-Oeste teve 145 registros, e o Norte, 102

No Amapá, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Paraná houve recorde de mortes. O Amapá registrou recorde de 533 óbitos, com 46 mortes, o Distrito Federal teve recorde e agora já soma 1.158 óbitos.

Mato Grosso do Sul também teve outro recorde, com 20 óbitos e soma 248 mortes. Já o Paraná registrou 58 mortes, outro recorde e já tem 1.396 óbitos.

Rio Grande do Sul teve seu segundo dia com mais mortes, foram 64 mortes (o recorde é de 65). No total, o estado soma 1.349 óbitos.

São Paulo, epicentro da pandemia no Brasil, registrou 383 mortes em 24 horas e o total de óbitos no estado ultrapassou 20 mil. O número de casos confirmados é de 422.669, um acréscimo de 6.235 casos.

Rio de Janeiro vem em seguida com mais mortes no dia e durante a pandemia, com, respectivamente, 132 e 12.293.

Em terceiro vem o Ceará (7.305). Na sequência estão: Pernambuco (6.089), Pará (5.581), Amazonas (3.169), Bahia (2.936), Maranhão (2.778), Minas Gerais (2.071) e Paraíba (1.558).

Rio Grande do Sul

Na Região Metropolitana de Porto Alegre os hospitais estão no limite de ocupação de UTI.

Em São Leopoldo, o Hospital Centenário ultrapassou a capacidade de atendimento intensivo, com 22 pacientes para 16 leitos habilitados, totalizando 137,5% de ocupação.

No município de Gravataí, a ocupação da UTI do Hospital Dom João Becker chegou a 100%, com 10 pacientes internados em todos os leitos disponíveis de UTI. Os leitos destinados a pacientes com Covid, atingiram 110% de ocupação na tarde desta terça, mostram os dados do governo. 

Na capital Porto Alegre, 83,3% dos leitos intensivos ocupados no total. Destes, 40,8% são de pacientes foram confirmados para coronavírus.

Em todo o estado do Rio Grande do Sul, a taxa geral de ocupação das UTIs é de 77,4%, até esta terça-feira (21). O estado chegou a 1.349 mortes, conforme o boletim mais recente da Secretaria Estadual de Saúde. No RS, quase 50 mil pessoas já foram infectadas pelo coronavírus, das quais 86% já se recuperou.

Salvador registra redução na ocupação dos leitos de UTI

A capital baiana tem apresentado uma diminuição no número de casos de infectados pelo novo coronavírus. Salvador, que atingiu o pico da doença em 17 de junho, com 11.707, registra agora 2.348 casos ativos. O número também vem acompanhado pela diminuição da taxa de ocupação dos leitos de UTI para tratamento da Covid-19.

No último domingo, a ocupação era de 75% dos leitos disponíveis e, na avaliação da prefeitura, caso esse número seja mantido até sexta-feira (24), permitirá a reabertura do comércio na cidade. O resultado é fruto das ações adotadas pelo governo do Estado em conjunto prefeitura de Salvador para o controle da propagação do vírus.

Em outros municípios do estado, medidas mais duras, como toque de recolher, fechamento de terminais rodoviários, feiras, suspensão de transporte intermunicipal, dentre outras, tem contribuído de forma significativa para que esses números não avancem.

O último boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde informa 11.689 casos ativos em todo o estado, com 2.951 óbitos. A taxa de ocupação de leitos de UTI no estado é de 71%. Somado o número de confirmados desde o início da pandemia, a Bahia teve 126.844 casos de Covid-19 até o momento.

Fortaleza tem redução de casos

Em Fortaleza houve uma redução de até 97% na média de casos de Covid-19, segundo o boletim da Secretaria Estadual de Saúde.

O boletim aponta ainda que a capital cearense passou por uma redução da média móvel de óbitos dos últimos sete dias (4,7) foi de 51% em comparação à média obtida duas semanas atrás (9,6). Se compararmos os dados de hoje com a máxima da curva, obtida no pico da série temporal, quando atingiu 91,7 mortes, a redução foi de 95%.

A taxa de ocupação das UTIs cearenses é de 69,92%, e a de ocupação das enfermarias é de 43,41%.