• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com alta de casos de Covid-19 no Paraná, educadores decidem encerrar greve de fome

A assembleia que definiu pelo fim do jejum, decidiu também realizar uma série de mobilizações contra os ataques à educação, entre elas, estado de greve e indicativo de greve para o início do ano letivo de 2021

Publicado: 27 Novembro, 2020 - 10h03 | Última modificação: 27 Novembro, 2020 - 10h09

Escrito por: Redação CUT

APP-Sindicato
notice

Com o aumento dos casos de Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, no Paraná, os médicos voluntários que acompanharam os educadores em greve de fome contra os ataques do governo de Ratinho Junior a educação pública, orientaram pelo fim do jejum. A fragilidade imposta pela falta de alimentação poderia deixá-los ainda mais vulneráveis ao vírus, explicaram.

A média de novos casos de Covid-19 por dia na cidade teve aumento de 178% em novembro em relação a outubro, passando de 284,39 para 790,58, segundo tabulação feita pelo Bem Paraná.

Após o alerta dos médicos, a categoria fez uma assembleia online nesta quinta-feira (26) e, depois de oito dias em jejum total, decidiu encerrar a greve de fome. OS educadores estavam acampados em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo local.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato), a greve de fome foi encerrada para garantir a saúde dos trabalhadores e trabalhadoras depois de 174 horas sem qualquer tipo de alimentação, mas a mobilização continua.

A assembleia que definiu pelo fim da greve de fome, decidiu também realizar uma série de mobilizações contra os ataques à educação, entre elas, estado de greve, assembleia-permanente e indicativo de greve para o início do ano letivo de 2021.

Segundo o secretário de Comunicação, Luiz Fernando Rodrigues, a APP-Sindicato continuará mobilizada, denunciando os ataques do governador Ratinho Jr. e o secretário da Educação, o empresário Renato Feder e cobrando que as pautas da categoria sejam atendidas.

“A greve de fome se deu pelo descaso e insensibilidade do governador Ratinho. Desempregar milhares de pessoas e colocar outras milhares em risco em plena pandemia provam que o governo do Paraná não se preocupa com a vida do povo paranaense", disse o sindicalista.

"Vamos intensificar a luta e desmascarar esse governo que se esconde como rato do debate com a categoria. Saímos mais fortes e mais dispostos a enfrentar e denunciar os abusos do governador e do comerciante que ocupa a secretaria de educação”, completou Luiz.

Entre as principais pautas dos educadores do Paraná estão a revogação do edital 47, que institui prova para o Processo Seletivo Simplificado (PSS), respeitando a saúde e o emprego dos milhares de profissionais PSS’s. Junto com a revogação do edital e da prova, a categoria reivindica a renovação dos contratos de professores e funcionários de escola atualmente contratados de forma temporária pelo processo seletivo simplificado, o pagamento do salário mínimo regional e de promoções e progressões, concurso público para suprir o déficit de educadores, além da manutenção das turmas de ensino noturno nas escolas incluídas no processo de migração para o modelo cívico-militar.

Luta intensa

A APP-Sindicato, junto com educadores iniciaram mobilizações em todo o estado no começo de novembro, quando o governador Ratinho Jr. e Renato Feder anunciaram a militarização de 216 escolas no Paraná e a realização de uma prova para PSS.

Em resposta a falta de diálogo com a categoria, que não foi consultada sobre esses projetos nefastos, trabalhadores da educação organizaram atos em frente ao Ministério Público do Paraná (MP-PR) e o Sindicato se manteve mobilizando em frente ao Palácio Iguaçu para exigir uma reunião com o governo.

Graças a mobilização, no dia 17, representantes do governo se reuniram com a APP-Sindicato para discutir as pautas da categoria. A resposta da gestão desagradou os educadores, que montaram acampamento em frente ao Palácio Iguaçu. Já no dia 18, educadores ocuparam a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) para exigir mediação no debate com Ratinho Jr.

Após a desocupação, que foi realizada no dia 19, educadores iniciaram uma greve de fome para denunciar a falta de diálogo e respeito do governador. A greve reuniu 49 educadores que se mantiveram em jejum até dia 26 de novembro, contabilizando 8 dias e mais de 170 horas sem comer. Milhares de pessoas em todo o Paraná se uniram nas últimas 24 horas em jejum e se somaram à mobilização. 

Confira abaixo os(as) companheiros(as) que participaram da greve de fome:

Adriana Mara – Ponta Grossa

 Andriely da Veiga Costa – Araucária

Aparecida Calizario – Curitiba

Camila Lanes – Estudante

Clau Lopes – Curitiba

Daniel Costa Machado – Itaperuçu

Daniel Matoso – Cascavel

Daniele Santos – Curitiba

Edmilson José da Silva – Curitiba

Egnaldo Cesca – Enéas Marques

Eliane Figura – Dois Vizinhos

Élio da Silva – Piraquara

Eliziane Alves – Ângelo Trevisan

Erika Nogueira – Estudante

Eugenia Maria de Andrade Souza- Curitiba

Evandro Mickus – Fazenda Rio Grande

Fabiano Camargo – Guaíra

Felipe Ferreira – Estudante

Fernanda Junqueira – Estudante

Gabriela Berry – Estudante

Helim Leal – Araucária

Igor de Lucca – Estudante

Isabel Andreia Cunha – Curitiba

Jaqueline Marcelino – Pinhais

Jean Ricardo Baptista – Araucária

Jonathan Chasko da Silva – Cascavel

José Sidnei da Silva – Araucária

Leandro Francisco de Paulo – Curitiba

Leonardo Costa – Estudante

Lillian de Oliveira – Araucária

Lucélia de Fátima Macedo – Campo Largo

Lucileia Barbosa Augusto – Iporã 

Luzenaide Leal da Silva – Curitiba

Márcia Valéria Fabris – Curitiba

Março Aurélio Gaspar – São João do Trunfo

Maria Aparecida Leal da Silva – Campo Largo

Marilene Lemony – Paranaguá

Meire Rose de Castro – Campina Grande do Sul

Patricia Cardoso Pelim – Fazenda Rio Grande

Paulete Cristiane de Oliveira – Pinhais

Rafael Pires de Mello – Colombo

Reginaldo Santos – Apucarana

Rodrigo Toleda – Paranaguá

Rosangela Anhaia – Ponta Grossa

Rosemari de Jesus – Campina Grande do Sul

Sara Leite – Curitiba

Sheila Cristina –  Curitiba

Taís Adans – Piraquara

Valdecir Vicente dos Santos – Fazenda Rio grande

 Com informações da APP-Sindicato