• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com 340 mortes em 24h, SP bate mais um recorde com ruas cheias, filas e aglomerações

João Doria (PSDB) prolongou pela quinta vez, o período de quarentena no estado que quase 10 mil mortes e 156.316 casos confirmados de Covid-19

Publicado: 10 Junho, 2020 - 15h48 | Última modificação: 10 Junho, 2020 - 15h56

Escrito por: Redação CUT

Reprodução
notice

No mesmo dia em que entrou em vigor a flexibilização da quarentena em várias cidades, o estado de São Paulo bateu mais recorde de 340 mortes confirmadas por Covid-19 nas últimas 24 horas. O número, divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde, na tarde desta quarta-feira (10), supera o de ontem e agora é o mais alto desde o início da pandemia, em meados de março.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que decretou a retomada das atividades econômicas em algumas regiões, entre elas a capital paulista, mesmo com as curvas de contaminação e mortes em alta, prolongou o período de quarentena por mais 15 dias, até 28 de junho. Esta é a quinta vez que Doria prolonga o isolamento social.

O total de mortes no estado já chega a quase 10 mil e os casos confirmados passou de 150.138 para 156.316 nas últimas 24 horas. Indagados por jornalistas durante a coletiva de imprensa sobre o crescimento dos números, as autoridades da área de saúde destacaram que o aumento está dentro das projeções do governo estadual.

Nesta quarta-feira (10), parte do comércio de rua da capital paulista está funcionando. Na quinta-feira (11), será a vez dos shoppings centers que funcionarão quatro horas por dia fora dos horários de pico (das 7 horas às 10 horas e das 17 horas às 20 horas) para evitar aglomerações no sistema de transporte público da cidade.

No entanto, o que se viu na capital paulista foi muita gente nas ruas, lojas lotadas em diferentes regiões da cidade, filas, aglomerações

No tradicional bairro do Brás, região de muito comércio de rua e vendedores ambulantes, foi registrado um dos maiores fluxos de pessoas na cidade e muitas aglomerações em vários pontos da Avenida Rangel Pestana.

O excesso de pessoas nas ruas e aglomerações também foi registrado no bairro da Lapa, na rua 12 de Outubro, na 25 de Março, centro da capital paulista. Tudo isso no momento em que os números de infectados e mortos pela Covid-19 continuam subindo no estado de São Paulo.

As cidades das regiões de Ribeirão Preto, Barretos e Presidente Prudente, no interior do estado, que haviam iniciado a reabertura do comércio, voltaram atrás e vão restringir a circulação de pessoas e o funcionamento, depois de registrar aumento nos casos confirmados e mortes por Covid-19.

Elas saem da zona amarela (com algumas restrições) e migram para a zona vermelha (mais crítica) do Plano São Paulo, conjunto de ações do governo paulista para flexibilizar a quarentena.  A Grande São Paulo, o litoral paulista e a cidade de Registro vão passar da fase vermelha (mais crítica) para a laranja (com menos restrições).