MENU

Brasil tem 49% da população com esquema vacinação completo contra Covid-19

Somando a primeira dose, a segunda, as doses única e a de reforço, são 260.150.021 vacinas aplicadas desde o começo da imunização contra a Covid-19

Publicado: 18 Outubro, 2021 - 10h50 | Última modificação: 18 Outubro, 2021 - 12h03

Escrito por: Redação CUT

Fernando Frazão/Agência Brasil
notice

Um total de 104.429.429 brasileiros e brasileiras, o  equivalente a 49% da população,  já completou o esquema vacinal.  

Mais de 151 milhões de pessoas tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19 e estão parcialmente imunizadas, o que representa 71,02% da população. Já a dose de reforço foi aplicada em 4.298.275 pessoas (2,01% da população).

Somando a primeira dose, a segunda, a única e a de reforço, são 260.150.021 doses aplicadas desde o começo da vacinação, segundo dados levantados pelo  consórcio de imprensa, divulgados às 20h deste domingo (17).

São Paulo é o estado com o ritmo mais avançado de vacinação. Cerca de 82,4% da população foi vacinada com a 1ª dose da CoronaVac, AstraZeneca ou Pfizer ou a dose única da Jansen. O estado também está com a maior proporção da população totalmente vacinada (63,1%).

Amapá tem o menor percentual de totalmente vacinados (26,6%). Já Roraima tem o ritmo mais lento, 53,2%.

Os outros estados com maior porcentagem da população imunizada (com segunda dose ou dose única) são: Mato Grosso do Sul (61,54%), Rio Grande do Sul (55,43%), Paraná (52,73%) e Santa Catarina (51,87%).

Já entre aqueles que mais tem sua população parcialmente imunizada estão São Paulo (79,90%), Santa Catarina (74,26%), Rio Grande do Sul (73,70%) Espírito Santo (72,46%) e Paraíba (72,41%).

Números da pandemia

Neste domingo (17), o Brasil registrou 125 mortes por Covid-19 em 24 horas, com o total de óbitos chegando a 603.324 desde o início da pandemia.

Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias ficou em 325 -- abaixo da marca de 400 pelo 6º dia seguido.

Sob influência do feriado estendido de Nossa Senhora Aparecida, as média móveis de mortes e casos caíram bastante na última semana.

Devido às equipes reduzidas trabalhando nos municípios, os números de casos e mortes registrados no sistema nacional ficam abaixo do normal, como visto em feriados anteriores; como consequência, apontam uma queda maior que a esperada na média móvel (que leva em consideração os dados dos últimos 7 dias). Por isso, a queda deve ser avaliada com cautela.