• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Brasil se aproxima de 21 milhões de casos de Covid-19, mas tendência é de queda

Pelo quinto dia consecutivo número de mortes fica abaixo de 500 e a média móvel foi de 473 óbitos - queda de 30% em comparação a duas semanas atrás

Publicado: 13 Setembro, 2021 - 11h20

Escrito por: Redação CUT

Marcello Casal Jr / ABr
notice

Mesmo próximo de atingir 21 milhões de casos de Covid-19 e com aumento de casos da variante Delta, cepa indiana mais transmissível, o Brasil segue com tendência de queda de mortes e novos diagnósticos do novo coronavírus. O país registrou neste domingo (12) 292 mortes por Covid-19, elevando para 586.882 o total de vidas perdidas para o novo coronavírus desde o começo da pandemia.

Com isso, a média móvel foi de 473 óbitos, uma queda de 30% em comparação com duas semanas atrás. E pelo quinto dia consecutivo o índice ficou abaixo de 500, segundo o consórcio de imprensa.

Em 24 horas também foram registrados 10.615 novos casos de Covid-19. A média móvel de casos dos últimos sete dias ficou em 15.771. Esse é o menor número desde 21 de maio de 2020, quando o país que teve média de 15.310 casos na semana.

Capitais aplicam terceira dose

Dezoito capitais brasileiras já começaram a aplicar a terceira dose da vacina contra a Covid-19 em sua população.

A aplicação deste reforço se destina às pessoas que fizeram algum tipo de transplante ou que tomaram a segunda dose ou dose única há pelo menos 28 dias, de acordo com o Ministério da Saúde.

Além disso, idosos acima de 70 anos, que completaram o ciclo vacinal há 6 meses, também devem receber mais uma dose das vacinas contra a Covid-19.

Florianópolis e Boa Vista iniciam a aplicação do reforço vacinal nesta segunda-feira (13). Já Macapá (AP) começa esta fase da imunização nesta quinta-feira (16) para maiores de 85 anos.

Porto Velho, capital de Rondônia, começa a aplicar a terceira dose nesta quarta-feira (15) para maiores de 70 anos.

As demais capitais não divulgaram a previsão para iniciar a aplicação da terceira dose. O Distrito Federal informou que ainda não recebeu o documento com a diretriz sobre a terceira dose.

Cuiabá, no Mato Grosso, informou que ainda não recebeu as doses necessárias para esta etapa da vacinação.

Em Manaus, no Amazonas, a secretaria municipal de Saúde de Manaus informou em nota que somente após avançar na segunda dose é que se poderá planejar um reforço com uma terceira dose.

No Pará, ainda não tem previsão de iniciar a aplicação da terceira dose e aguarda a chegada de mais imunizantes. João Pessoa, na Paraíba, ainda não definiu a aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid-19 para idosos

Teresina, no Piauí, informou que aguarda o Ministério da Saúde definir e mandar as doses para esta fase da imunização e que segue o PNI na íntegra. No Rio Grande do Norte, Natal também aguarda doses.

Maceió, capital de Alagoas, informou que aguarda normatização do Ministério da Saúde para iniciar o reforço vacinal.

SP tem 200 mil pessoas com segunda dose de AstraZeneca em atraso 

A cidade de São Paulo tem 200 mil pessoas com a segunda dose da vacina AstraZeneca em atraso por conta da falta do imunizante nos postos de saúde. Na sexta-feira (10), quase 100% dos postos já não tinham mais nenhuma dose disponível para essa população.

O problema ocorre desde o início da semana, e gerou um novo impasse entre as gestões estadual, municipal e o Ministério da Saúde.

O governador João Doria (PSDB) afirmou que vai recorrer ao STF caso não receba doses da AstraZeneca do Ministério da Saúde

Tanto governo do estado como a prefeitura da capital paulista acusam o governo federal de alterar cronograma de envio, atrasar repasse de lotes e provocar desabastecimento dos postos, principalmente na cidade de São Paulo.