• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Atual política de preço dos combustíveis da Petrobras acelera inflação em junho

Puxada pelas altas nos preços do leite, frango, energia e combustíveis, a inflação oficial, pela primeira vez desde janeiro de 2016, fica acima de 1 dígito - é a maior taxa para o mês de junho em 23 anos

Publicado: 06 Julho, 2018 - 11h41 | Última modificação: 06 Julho, 2018 - 11h56

Escrito por: Tatiana Melim

Alex Capuano/CUT
notice

A política de preços dos combustíveis adotada pelo golpista e ilegítimo Michel Temer (MDB-SP), de reajuste diário nos preços dos combustíveis de acordo com a variação internacional do barril de petróleo e a flutuação cambial, teve impacto direto no resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de junho, que ficou em 1,26% e atingiu a maior taxa para o mês em 23 anos.

A atual política, implantada pela direção da Petrobras nomeada por Temer, foi responsável pela greve dos caminhoneiros, que refletiu no aumento dos preços dos alimentos, em especial o frango e o leite, e pelos reajustes do gás de cozinha e da gasolina. Além disso, teve reflexos nas tarifas de energia elétrica, que ficaram mais caras porque o governo passou a usar mais as termoelétricas, que precisam de combustíveis para operar.

É o que aponta os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (6). Puxada pelos grupos alimentação (2,03%), habitação (2,48%) e transporte (1,58%), que concentram cerca de 60% das despesas das famílias, a inflação oficial do País, pela primeira vez desde janeiro de 2016, ficou acima de 1% - é maior taxa para o mês de junho desde 1995, quando o índice ficou em 2,26%.

Preço da gasolina explode 

Nos transportes, a gasolina, com variação de 5%, e o etanol (4,22%) contribuíram com, aproximadamente, 21% da composição da inflação para o mês de junho, segundo IBGE.

Comer ficou mais caro

Na alimentação, as principais altas ficaram com o leite longa vida, que passou de 2,65% em maio para 15,63% em junho, e o frango inteiro, com variação de -0,99% em maio para 8,02% em junho. As carnes também tiveram um aumento expressivo e passaram de -0,38 em maio para 4,6% no mês seguinte.

Contas de luz continuam puxando inflação para cima

No grupo habitação, o destaque foi a energia elétrica, com alta de 7,93%, praticamente o dobro dos 3,53% de maio. Desde 1º de junho está em vigor a bandeira tarifária vermelha, que adicionou R$ 0,05 a cada kwh consumido. Além disso, em algumas cidades, como Curitiba, Brasília, Porto Alegre e Belo Horizonte, as tarifas de energia foram reajustadas.

Gás de cozinha

O gás encanado aumentou 2,37% devido ao reajuste de 1,87% nas tarifas no Rio de Janeiro (0,17%), em vigor desde 1º de maio, e de 3,35% nas tarifas de São Paulo (6,13%), vigentes desde 31 de maio. Já o botijão de gás, com alta de 4,08%, também ajudou na alta da taxa.

Inflação mais alta em Belo Horizonte

A região metropolitana de Belo Horizonte foi a que apresentou o maior índice, fechando o mês de junho com 2,12%. Além da variação de 21,70% na energia elétrica, decorrentes do reajuste de 18,53% nas tarifas e da cobrança adicional da bandeira tarifária vermelha, também tiveram destaque as altas de 6,66% no preço da gasolina e de 23,5% no leite longa vida.

IPCA em junho

• Taxa no mês: 1,26%
• Acumulado no ano: 2,6%
• Acumulado em 12 meses: 4,39%