• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

‘A luta agora é para libertar o país desse bando de milicianos’, diz Lula

Agora a campanha Lula Livre tem que se transformar em uma coisa muito maior, porque o que nós queremos é a anulação da safadeza dos processos contra nós, disse Lula

Publicado: 18 Novembro, 2019 - 09h42 | Última modificação: 18 Novembro, 2019 - 14h30

Escrito por: Redação RBA

Divulgação
notice

Em um discurso carregado de gratidão às pessoas que o apoiaram na Vigilía Lula Livre e por meio dos comitês espalhados por todo o país durante os 580 dias encarcerado na sede da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva exaltou o povo nordestino no Festival com Lula Livre, neste domingo (17), em Recife.

“O Nordeste é exportador de dignidade”, disse, lembrando que antes de seus 8 anos de governo o povo nordestino não era beneficiado por políticas de inclusão no mercado de trabalho, educação e saúde, entre outras.

“Queremos ser tratados com igualdade de condições. Não somos pária da sociedade”, afirmou. E emendou: Tenho muito orgulho de ter criado a Universidade Federal do ABC (UFABC), onde a primeira matrícula foi feita por uma nordestina em curso de engenharia”.

Lula conclamou todos à luta, que não acabou com sua libertação. “A luta será para libertar o país desse bando de milicianos que tomou conta do país”, disse, dirigindo-se claramente a Jair Bolsonaro e seus auxiliares, que conduzem políticas de ataques a direitos sociais de toda a população e de isolamento aos estados nordestinos.

De acordo com o ex-presidente, “agora a campanha Lula Livre tem que se transformar em uma coisa muito maior, porque o que nós queremos é a anulação da safadeza dos processos contra nós”.

No último final de semana do mês (dia 30 de novembro e 01 de dezembro), o Comitê Lula Livre vai organizar o último Mutirão do ano com o objetivo de esclarecer a sociedade brasileira sobre a farsa montada contra o ex-presidente e para pedir a anulação dos seus processos.

Acompanhado de Fernando Haddad e de Rosângela da Silva, a Janja, Lula voltou a criticar o ministro da Justiça, Sérgio Moro, o procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol, Jair Bolsonaro e a Rede Globo, “que trabalham para destruir a esperança no país ao alimentar o ódio e as mílícias”.

O primeiro festival Lula Livre depois da libertação do presidente, no último dia 8, reuniu mais de 200 mil pessoas, segundo a organização. A Praça Nossa Senhora do Carmo, no bairro Santo Antonio, região central de Recife, foi palco para um show com mais de oito horas de duração e que prosseguiu após o discurso de Lula.

O Festival tornou-se uma marca da luta por justiça para Lula conhecida no país todo. Como na ditadura, todas as edições do festival trouxeram a música como forma de resistência e politização na luta pela liberdade do o ex-presidente, que ficou encarcerado na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba por 580 dias.