• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

74% dos brasileiros acham que país está no rumo errado. Índice supera média mundial

Pesquisa indica que 74% dos brasileiros estão infelizes com os rumos que o país toma. Na média, os brasileiros estão mais insatisfeitos do que os 27 países pesquisados

Publicado: 05 Março, 2021 - 15h16 | Última modificação: 05 Março, 2021 - 15h20

Escrito por: Redação CUT

Roberto Parizotti
notice

 

Os brasileiros estão entre os mais insatisfeitos com os rumos do próprio país em todo o mundo, mostra o  levantamento 'What Worries the World' ( 'O que aborrece o mundo', em português ), do Instituto Ipsos.  

O levantamento ouviu pessoas de 27 países do mundo sobre questões que as mais preocupam e o grau de satisfação com os rumos de cada Nação. O resultado apontou que 74% dos brasileiros não estão satisfeitos, contra uma média mundial de 64% dos demais países. Ou seja, a grande insatisfação no Brasil é dez pontos percentuais maior do que a média.

Ente os temas que mais preocupam os brasileiros, a Covid-19 foi o maior motivo das respostas: 45%. Em segundo veio o desemprego (34%), seguido de pobreza e desigualdade social (33%); corrupção política e financeira (32%) e crime e violência (27%).

No restante do mundo, a pandemia do novo coronavírus foi citada como o tema mais preocupante pelos entrevistados. Metade (50%) das pessoas dos 27 países acredita que a covid-19 é a questão que mais preocupa.

Apesar do alto índice de brasileiros insatisfeitos com os rumos do país, aparecem ainda mais insatisfeitos  com a direção dada a suas nações, a população do Peru (87%), África do Sul (82%) e Polônia (80%). Por outro lado, o grau de descontentamento é significativamente mais baixo entre os cidadãos da Arábia Saudita (13%), da Índia (32%) e da Austrália (38%).

A pesquisa foi feita de forma on-line e realizada com 19.520 entrevistados, sendo mil brasileiros, com idade entre 16 e 74 anos de 27 países, entre os dias 22 de janeiro e 5 de fevereiro de 2021. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 pontos percentuais.

Com informações do Congresso em Foco