• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Artigo

Sem medo de ser feliz e em defesa da vida: Fora, Bolsonaro!

Publicado: 22 Abril, 2020 - 00h00 | Última modificação: 22 Abril, 2020 - 14h24

“Sem medo de ser feliz” continua sendo o slogan que move mentes e corações em defesa da vida e de um Brasil que ofereça oportunidades de trabalho e renda decentes para que todos e todas possam crescer e ser feliz. “Fora, Bolsonaro” passou a ser o nosso maior desafio agora que amplas parcelas da nossa gente e das forças sindicais, políticas, populares e democráticas já perceberam que é impossível defender a vida e acenar com um futuro promissor enquanto Bolsonaro estiver no poder.

O PT já não corre o risco de ficar isolado e por isso nossas bancadas parlamentares no Congresso Nacional já se movimentam no sentido de contribuir efetivamente para a construção de uma ampla frente política e social em torno do “Fora, Bolsonaro”. Esta ampla unidade é essencial para a construção de uma correlação de forças favorável à retirada do poder de um ditador insano, que ameaça a vida e a democracia.

Dada a gravidade da situação a que chegamos já não basta lutarmos contra o novo coronavírus (Covid19). A morte continua a ameaçar a vida das pessoas por meio de um vírus tão perigoso quanto, capaz de ceifar a vida de milhares de pessoas em todo o Brasil. Este vírus se chama Bolsonaro, que troca o ministro da Saúde em plena pandemia, para por em seu lugar um ser que também não tem compromisso com a defesa da vida. O novo ministro chegou a dizer há algum tempo que entre um jovem e um idoso, optaria por salvar o jovem, deixando morrer os velhos, em face da ausência de equipamentos, ao invés de se posicionar por investimentos na saúde para dotar as unidades públicas de condições de salvar a vida de todos. 

O governo Bolsonaro precisa ser combatido com força e coragem. Não é possível manter um presidente e uma equipe que apostam no caos social para impor um Estado de Exceção, uma ditadura, para se manter no poder a qualquer custo. Já não se trata apenas de divergências políticas e econômicas, mas de uma situação dramática, na qual a principal autoridade, o presidente da República, age de forma irresponsável, insana, movido pelo ódio, pondo em risco a vida de milhares de pessoas nesta pandemia. 

O governo federal não adotou as medidas necessárias para conter a contaminação e Bolsonaro sai às ruas, combatendo o isolamento social e desqualificando o trabalho dos profissionais de saúde, que se arriscam para salvar vidas, sem que tenham os recursos e as condições necessárias para fazê-lo. 

No atual contexto são claros os motivos legais, políticos e morais, que justificam amplamente o impeachment de Bolsonaro. A construção da maioria parlamentar necessária para transformar o “fora, Bolsonaro” em impeachment, afastamento, renúncia, ou qualquer outra forma, passa pela união, coesão e capacidade de mobilização das forças políticas e sociais. O PT reúne lideranças, militância e capacidade política para exercer um forte protagonismo nesta batalha.

A sensibilidade com a miséria, pobreza, fome, desamparo, exclusão social e discriminação são características históricas e marcantes do PT. O compromisso do partido e de suas lideranças é com milhares de famílias sem teto, sem luz, sem terra, sem acesso a serviços de saúde e a uma educação gratuita e de qualidade. Esta opção política se faz presente em ações efetivas de nosso partido, no parlamento e nos governos. 

Foi por essa causa que trabalhamos intensamente para que as classes populares tenham direito a moradia, a se alimentar três vezes por dia, a ter água limpa e potável, luz para todos, saúde pública e gratuita, liberdade de opinião e salários decentes. Enfim, a um regime que valorize a democracia e os direitos sociais. 

O compromisso com a democracia, a solidariedade ativa, a defesa da vida por meio de políticas públicas inclusivas e a construção de condições objetivas para que as famílias pobres e seus filhos possam estudar, trabalhar e ascender socialmente são iniciativas nas quais nosso partido sempre teve forte protagonismo.