• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Artigo

Com governo Bolsonaro a juventude não tem nada o que comemorar

Publicado: 12 Agosto, 2021 - 00h00

Exatamente na semana em que é celebrado o Dia Internacional da Juventude, a Câmara dos Deputados aprova a Medida Provisória (MP) nº 1045/21, que deveria tratar apenas da renovação da redução e suspensão de salários e jornadas de trabalho, mas recebeu emendas - os chamados jabutis porque não têm nada a ver com a proposta original - que propõem a retirada de direitos de contratos de aprendizagem, afetando diretamente a juventude brasileira.

Reforma trabalhista

A MP foi encaminhada ao Congresso Nacional pelo Governo Bolsonaro e ataca diretamente os direitos dos trabalhadores/as com carteira assinada, criando um programa de “Bolsa de Incentivo à Qualificação” que não pagará férias remunerada, não pagará 13° e nem Fundo de Garantia e o salário pode ser o referente a 40% do salário mínimo para uma carga horária de 22 horas semanais, ou seja, R$440 reais por mês.

Esta MP é uma afronta com o povo brasileiro e marca mais um ataque do Bolsonaro contra os trabalhadores/as. De acordo com dados do IBGE o país tem cerca de 47 milhões de jovens entre 15 a 29 anos. Desse total 23% ou pouco mais de 11 milhões não estudam, nem trabalham. Em um país que não traz perspectivas de futuro para a juventude brasileira, a evasão escolar cresce e a falta de empregos com melhores condições decaem.

A uberização só aumenta e atinge diretamente a juventude brasileira. A desregulamentação é geral e envolve pequenas, médias e grandes empresas do setor privado. A palavra de ordem do capital, afinal, é diminuição do custo de trabalho.

Em Santa Catarina não é diferente, no dia do estudante celebrado nesta quarta (11/8) o Secretario de Educação, Luiz Vampiro, faz o anúncio que o estado vai implantar o novo currículo do Ensino Médio em todas as escolas públicas estaduais, projeto aprovado ainda no Governo Temer e que representa um retrocesso na qualidade de educação e na emancipação e conhecimento dos estudantes brasileiros.

A todos estes ataques que tiram a perspectiva de um presente e futuro de qualidade para a juventude brasileira, a Secretaria de Juventude do Sinte/SC, se organiza e se soma na luta em defesa da educação pública e contra a retirada de direitos de todos os jovens filhos da classe trabalhadora. Acreditamos em uma educação emancipatória pública e que traga a transformação necessária para o nosso país! Seguimos em luta!