• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Parente quer entregar 74 plataformas da Petrobrás

Desmonte da empresa chega às operações de maior interesse para as multinacionais

Publicado: 31 Julho, 2017 - 14h37 | Última modificação: 02 Agosto, 2017 - 17h16

Escrito por: CUT, com informações do Sindipetro-NF e da Petrobrás

Divulgação/Petrobrás
notice

Em comunicado feito ao mercado na noite de sexta-feira, 28, a Petrobrás anunciou a privatização de 30 áreas produtoras de petróleo, nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe, Rio de Janeiro e São Paulo. Segundo o anúncio, serão vendidas 74 plataformas em todo o País, sendo 14 na Bacia de Campos. Em todos os campos colocados à venda, a estatal é operadora com 100% de participação.  Somente nas concessões de Pescada e Arabaiana, no Rio Grande do Norte, a empresa opera com 65% de participação, pois tem parceria com a Ouro Preto Óleo e Gás. 

É o maior ataque às áreas de produção de petróleo em águas rasas, desde a era privatizante de FHC nos anos 90. Na Bacia de Campos, por exemplo, estão na lista de venda três grandes polos produtores: Pargo (Carapeba, Vermelho e Pargo), Enchova (Bicudo, Bonito, Marimbá, Piraúna, Enchova e Enchova Oeste) e Pampo (Badejo, Linguado, Trilha e Pampo). Outro campo de destaque que será colocado à venda é Merluza, na Bacia de Santos. 

A diretoria do Sindipetro-NF denunciou a operação em nota divulgada no sábado (29):  "O ataque, que vinha acontecendo nos campos terrestres, em refinarias e subsidiárias, chega agora às áreas de maior produção, visibilidade e interesse das multinacionais do setor petróleo. Uma ofensiva somente possível em razão da conjuntura de impunidade conferida à direita brasileira pela Operação Lava Jato e pela cumplicidade do poder Judiciário e da grande imprensa".

Os petroleiros estarão reunidos entre os dias 03 e 06 de agosto, em Salvador, durante o XVII Congresso Nacional da FUP, para debater e apontar um amplo calendário de lutas e estratégias de resistência para resgatar o Sistema Petrobrás das mãos dos golpistas, que estão privatizando a empresa a toque de caixa.

Trancaço e resistência

Na manhã desta segunda-feira (31), em protesto contra o anúncio feito pela Petrobrás, dirigentes do Sindipetro-NF (Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense) promoveram um trancaço nos acessos à base de Imbetiba, em Macaé (RJ). De acordo com a entidade, a privatização destas unidades vai retirar da empresa uma receita de US$ 1 bilhão por ano, além de eliminar cerca de 10 mil empregos. "Estamos aqui em Imbetiba fechando todos os acessos para que a categoria petroleira perceba a gravidade deste anúncio. Precisamos enfrentar esses entreguistas e construirmos uma nova greve geral", afirma o coordenador geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra.

O trancaço em Imbetiba começou às 6h e tem previsão de durar até às 9h.

Ainda hoje a diretoria do Sindipetro-NF se reúne em caráter extraordinário para discutir outras formas de luta contra o desmonte da Petrobrás.


Dirigentes sindicais promovem trancaço em Imbetiba. (Foto: Sindipetro NF)