• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT e centrais aderem ao Grito dos Excluídos, no dia 7 de setembro

Para Sérgio Nobre, é importante que dia 7 tenha grandes atos nos municípios, nos bairros e nas capitais, para impulsionar a pressão contra Bolsonaro e barrar de vez a reforma da previdência no Senado

Publicado: 26 Agosto, 2019 - 17h41 | Última modificação: 28 Agosto, 2019 - 14h32

Escrito por: Érica Aragão

Roberto Parizotti (Sapão)
notice

Reunidas nesta segunda-feira (26), na sede do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em São Paulo, a CUT e demais centrais sindicais - CGTB, CSB, CSP Conlutas, CTB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central Sindical e UGT – definiram uma agenda de luta em defesa da Previdência e decidiram aderir e potencializar o Grito dos Excluídos, no dia 7 de setembro, em todo país.

No dia 3 de setembro, representantes da CUT e demais centrais irão fazer uma mobilização no Senado, onde a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 06/2019, aprovada na Câmara dos Deputados, está tramitando. As lideranças sindicais irão conversar com os senadores e pressioná-los para votar em defesa da classe trabalhadora e contra esta reforma da Previdência que dificulta a concessão de benefícios previdenciários.

No dia 4, os dirigentes da CUT e demais centrais irão participar de um seminário sobre a soberania nacional, na Câmara dos Deputados, em Brasília. O evento, organizado pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, vai debater questões relativas ao patrimônio público, produção científica e riquezas naturais.

Está previsto, ainda, um ato nacional antes do dia 24 de setembro, data que está prevista a votação da reforma da Previdência no Senado. Para decidir a data deste ato, os dirigentes irão consultar os trabalhadores e as trabalhadoras.

Para o Secretário-Geral da CUT, Sergio Nobre, a luta contra a reforma da Previdência é o carro chefe das mobilizações das principais centrais sindicais do país e por isso a pressão sobre os senadores é tarefa permanente de todo trabalhador e toda trabalhadora.

Segundo ele, a pressão pode ser feita nas ruas, nas bases destes parlamentares, de forma digital, pelo ‘napressão’, e também participando das mobilizações nacionais.

“É muito importante que o dia 7 tenha grandes atos no país inteiro, nos municípios, nos bairros e nas grandes capitais para impulsionar a pressão contra o governo de Bolsonaro e contra aqueles que querem destruir a Previdência Social e pública na votação do dia 24”, afirmou.

Segundo o secretário-geral da CUT, participar do Grito dos Excluídos tem tudo a ver com este cenário que estamos vivendo, com um governo que ataca desde a soberania, as riquezas do país e os empregos até os direitos dos negros, dos LGBTs e dos trabalhadores e as trabalhadoras.

“Só unidos e com muita pressão é que nós teremos todas as condições de modificar este projeto, que ainda está muito ruim. E se alterado, o debate volta para Câmara e será uma grande derrota para o governo e um passo importante na luta contra retirada de direitos”, disse Sergio Nobre.

As frentes e outras pautas

Outras pautas também foram discutidas na reunião, como a defesa do patrimônio público, emprego, Amazônia e a educação. As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo também participaram da reunião e confirmaram participação no dia 7.

“Queremos jogar peso no dia 7 e também colocaremos o bloco massivo nas ruas de todo país em defesa da educação, da Amazônia e do Brasil para denunciar o que este governo está fazendo com a gente [corte na educação, nas pesquisas e na ciência]. Também queremos retomar os caras pintadas e acho que agora é uma ótima oportunidade porque os estudantes querem ir para ruas”, disse o presidente da UNE, Iago Montalvão.

Sobre o Grito dos Excluídos 2019

“Vamos juntar nosso grito, do sul ao norte. Vamos juntar nossas mãos, nossas vozes, cantando bem forte: a vida em primeiro lugar”, diz trecho de um dos hinos do Grito dos Excluídos, que ressalta a importância da unidade da luta, onde todos, de mãos dadas vão denunciar este governo de destruição.  

A 25ª edição do Grito dos Excluídos tem como objetivo defender a vida em primeiro lugar, anunciando a esperança de um mundo melhor, promovendo ações de denúncia dos males causados por este modelo econômico e como lema desta edição, mais uma vez, alerta para insustentabilidade deste sistema: “Este sistema não vale! Lutamos por Justiça, direitos e liberdade”.

Para contemplar as lutas sindicais, a CUT e demais centrais adicionaram duas bandeiras ao Grito dos Excluídos que eles ajudarão a construir: a defesa da Previdência Social e da soberania do país.

Membro da Coordenação Nacional do Grito dos Excluídos e coordenador nacional da Pastoral Operária da CNBB, Jardel Neves Lopes disse que no meio deste momento histórico da conjuntura e do contexto social é fundamental somar forças com os que lutam por direitos, justiça e liberdade.

“O Grito dos Excluídos de 2019 reúne forças das classes mais populares do país e deixou de ser uma coisa pontual do dia 7 de setembro para ser um processo. Vários gritinhos e outras atividades já estão acontecendo para potencializar o grito nacional”, afirmou.

Para Jardel, “a participação da CUT e demais centrais sindicais no dia que se celebra uma falsa independência, será fundamental para mostrar a unidade dos povos, os diversos excluídos e os processos políticos que geram a exclusão cada vez maior em todo país”.

“Ter as centrais, os sindicatos e as entidades sindicais reconhecidas como organização de classe na mobilização do Grito é fundamental para a sociedade. Precisamos de unidade para defender os direitos de todos os trabalhadores e o Grito dá voz aos excluídos para dizerem o que estão sentindo e quais são os impactos deste sistema na vida de cada um”, disse Jardel, que completou: “Nós sabemos que para tantas perdas e negações de direitos que o governo está impondo sobre a classe trabalhadora é uma agenda do sistema econômico que quer vender nossas riquezas e nossos direitos. A reforma da Previdência faz parte deste projeto do sistema contra os direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras e também é mote da nossa luta”.

Serviço

03/09 – Intensificar o diálogo com os senadores e senadoras e a pressão contrária à reforma da Previdência realizando várias atividades no Congresso Nacional;

04/09 - Ato e Seminário pela Soberania Nacional e Popular no dia 4 de setembro, das 9h às 19h, no Auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados em Brasília.

07/09 – Atos descentralizados do Grito dos Excluídos em todo o país (O PortalCUT vai atualizar essas informações)