• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Artigo

Ao atacar MPT, Bolsonaro explicita suas posições contrárias aos direitos dos trabalhadores e a favor da superexploração

Publicado: 27 Agosto, 2018 - 00h00

 

Em suas atividades de campanha pelo interior do Estado de São Paulo, Jair Bolsonaro atacou o Ministério Público do Trabalho (MPT), acusando-o de ser um entrave ao desenvolvimento econômico do país. De forma cristalina, esta declaração revela os compromissos do candidato com os segmentos empresariais que vivem da superexploração dos trabalhadores e das trabalhadoras.

Em primeiro lugar, quem entrava o desenvolvimento de nosso país é o governo golpista de Michel Temer e sua turma. Tomaram o poder de assalto – com o apoio e voto do deputado Jair Bolsonaro – e afundaram nosso país na estagnação e no desemprego, trazendo de volta a miséria e a fome. Jair Bolsonaro, depois de apoiar Aécio Neves nas eleições de 2014, foi soldado de Michel Temer na articulação do golpe que retirou Dilma Rousseff da presidência e colocou Temer em seu lugar.

Votou pelo impeachment de Dilma Rousseff, uma presidente honesta, que não praticou qualquer irregularidade que justificasse sua retirada da condução do país. Desta forma, Bolsonaro também é responsável pela ascensão de Temer ao poder e pelas medidas por ele adotadas. Essas sim, entravam o desenvolvimento e o crescimento econômico de nosso país. Como a Emenda Constitucional que congelou o gasto público de municípios, estados e governo federal por vinte anos, e que também contou com o voto favorável do deputado Jair Bolsonaro.

Quando Temer e sua turma, juntamente com latifundiários, banqueiros e industriais impuseram a reforma trabalhista, que retira direitos dos trabalhadores, Jair Bolsonaro estava com Temer e contra os trabalhadores, diferentemente da maioria do Ministério Público, que se posicionou ao lado da classe trabalhadora. Talvez isso explique tanto ódio de Bolsonaro. Mais provável, no entanto, é que sua ira decorra de seus compromissos com os ricos e milionários, que vivem do suor de quem trabalha. Estes sim, os principais responsáveis pelo desenvolvimento do Brasil.

Que Bolsonaro não tem qualquer compromisso com os direitos fundamentais previstos em nossa Constituição todos já sabemos. Mas, aproveitar-se da campanha eleitoral para destilar seu ódio contra o Ministério Público só revela sua posição profundamente antidemocrática contra um órgão público que tem se dedicado à luta pela erradicação do trabalho escravo e do trabalho infantil, ao combate ao desrespeito aos direitos de mulheres, negros, homossexuais, pessoas com deficiência, dentre tantos outros.

Ele odeia o Ministério Público porque não quer nenhum órgão governamental fazendo o trabalho de fiscalização e combate ao desrespeito dos direitos previstos em nossa legislação. Afinal, ao votar a favor da reforma trabalhista posicionou-se a favor dos de cima e contra os de baixo. Levanta a voz e fala grosso com quem defende os trabalhadores e as riquezas nacionais, que o governo Temer está entregando para empresas estrangeiras. Mas, afina a voz e abaixa a cabeça para os de cima, para os milionários que abocanham grande parte da riqueza produzida pela classe trabalhadora em nosso país.

Fica registrado aqui meu repúdio a Jair Bolsonaro e minha solidariedade e apoio ao Ministério Público do Trabalho.