• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Artigo

12 de Agosto Dia Internacional da Juventude

Publicado: 13 Agosto, 2018 - 00h00

Não é apenas um motivo de celebração, a data serve de referencial para entidades do movimento sindical, social e popular para dar visibilidade às lutas da juventude ao redor do nosso país. É uma boa oportunidade para fazermos uma reflexão sobre os desafios para avançarmos na construção de um país para todos e todas.

A data, de extrema importância, deve também ser celebrada, pois é através dela que se torna possível despertar na juventude a importância de ouvir, reconhecer opiniões diferentes, resolver seus conflitos, viabilizando a construção de um futuro repleto de oportunidades e dignidade.

Este dia deve ser dedicado exclusivamente à juventude, pretendendo promover o respeito pelos direitos humanos, pela liberdade e pela solidariedade, viabilizando o protagonismo da nossa juventude nas políticas públicas de nosso país e contra as retiradas de direitos.

Precisamos pautar e discutir nessa data diversos temas, entre eles o combate ao genocídio da juventude negra, a universalização do acesso ao ensino superior, à saúde, educação, cultura, trabalho digno para juventude, além disso precisamos pautar a luta contra o racismo, machismo e LGBTfobia.

No Brasil já representamos mais de um quarto da população. Somos e representamos a diversidade de pensamentos, de estilos, que são a marca da nossa população.

Os governos Lula e Dilma inovaram na concepção de política pública e passaram a considerar a juventude como uma condição social, e os jovens, como sujeitos de direitos. As ações e programas do Governo Lula e Dilma buscavam oferecer oportunidades e garantir direitos aos jovens, para que pudessemos resgatar a esperança e participar da construção da vida cidadã no Brasil.

E com esse governo que não legitimamos do golpista de Michel Temer perdemos as políticas já conquistas e estamos com nosso futuro condenado se não reagirmos.

 Por isso reafirmamos que a nossa juventude continuará sendo protagonista das mobilizações contra esse golpe e em defesa da liberdade do companheiro Lula, para que nosso país e nossa juventude volte a sonhar. 

O atual modelo de governo que existe no Brasil torna o jovem vulnerável, o criminaliza, além de não assegurar direitos básicos para sua formação. Entretanto, estamos em um ano eleitoral e faremos a diferença nas urnas, não podemos esquecer que a juventude é sinônima de revolução, porque acredita na mudança.

Afinal, queremos construir o futuro que desejamos. A juventude cobra e por isso colabora para a construção de um país melhor para todos os cidadãos.

Precisamos ter claro que essa é uma luta de classe e não de categoria.Seguiremos em resistência até nossa juventude ser respeitada e reconhecida como protagonista da sua luta.

 

Viva a juventude da classe trabalhadora! Lula Livre!