Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

SC: Greve dos Trabalhadores na Saúde de Chapecó e região

Trabalhadores seguem firmes e paralisação entra no quinto dia

Escrito por: Patricia Duarte - Assessora de Imprensa SITESSCH • Publicado em: 25/04/2013 - 15:00 Escrito por: Patricia Duarte - Assessora de Imprensa SITESSCH Publicado em: 25/04/2013 - 15:00

 

Nem mesmo o frio da noite e o sol quente da tarde tem inibido os trabalhadores e trabalhadoras da saúde que entram no quinto dia de greve no Hospital Regional de Chapecó e Hospital da Criança. O desejo de mais reconhecimento e a luta por mais valorização salarial são os alicerces dessa categoria fundamental ao andamento de uma instituição de saúde. O mesmo sentimento se estende aos profissionais de Concórdia, que também não arredam o pé da greve na frente do hospital daquela cidade. Em outras cidades, mesmo sem paralisação, os votos de solidariedade e de apoio para que a luta continue se espalham em cartazes, faixas e, principalmente, nas redes sociais.

“Sabíamos que não seria fácil, como toda a greve não é, mas estamos firmes e assim permaneceremos em prol desta causa. Os trabalhadores da saúde precisam de uma negociação justa e que atenda as necessidades reais do coletivo”, afirmou, Maria Salete Cross, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Chapecó – SITESSCH.

Com relação ao atendimento dentro dos hospitais, a direção do Sindicato garante que 30% do quadro funcional está prestando atendimento necessário, porém, com o anúncio da greve, a população automaticamente procura outras alternativas, como hospitais particulares e postos de saúde quando necessário.

A diretoria do SITESSCH e os trabalhadores em greve estão concentrados na praça Coronel Bertaso, em Chapecó onde vão entregam à população uma carta aberta expondo e explicando as necessidades e os motivos para uma negociação salarial digna a esses profissionais.

Título: SC: Greve dos Trabalhadores na Saúde de Chapecó e região, Conteúdo:   Nem mesmo o frio da noite e o sol quente da tarde tem inibido os trabalhadores e trabalhadoras da saúde que entram no quinto dia de greve no Hospital Regional de Chapecó e Hospital da Criança. O desejo de mais reconhecimento e a luta por mais valorização salarial são os alicerces dessa categoria fundamental ao andamento de uma instituição de saúde. O mesmo sentimento se estende aos profissionais de Concórdia, que também não arredam o pé da greve na frente do hospital daquela cidade. Em outras cidades, mesmo sem paralisação, os votos de solidariedade e de apoio para que a luta continue se espalham em cartazes, faixas e, principalmente, nas redes sociais. “Sabíamos que não seria fácil, como toda a greve não é, mas estamos firmes e assim permaneceremos em prol desta causa. Os trabalhadores da saúde precisam de uma negociação justa e que atenda as necessidades reais do coletivo”, afirmou, Maria Salete Cross, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Chapecó – SITESSCH. Com relação ao atendimento dentro dos hospitais, a direção do Sindicato garante que 30% do quadro funcional está prestando atendimento necessário, porém, com o anúncio da greve, a população automaticamente procura outras alternativas, como hospitais particulares e postos de saúde quando necessário. A diretoria do SITESSCH e os trabalhadores em greve estão concentrados na praça Coronel Bertaso, em Chapecó onde vão entregam à população uma carta aberta expondo e explicando as necessidades e os motivos para uma negociação salarial digna a esses profissionais.



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.