Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Presidente da CUT participa de ato em apoio aos petroleiros, na Bahia

Vagner, presidente da CUT, e Rangel, coordenador-geral da FUP, vão a Bahia para ato de solidariedade ao sindicalista Deyvid Bacelar, que foi preso, agredido e algemado pela PM baiana

Escrito por: Marize Muniz/FUP • Publicado em: 05/11/2015 - 12:44 • Última modificação: 05/11/2015 - 14:53 Escrito por: Marize Muniz/FUP Publicado em: 05/11/2015 - 12:44 Última modificação: 05/11/2015 - 14:53

Paulo Souza

Trabalhadores de várias categorias profissionais se uniram aos petroleiros baianos nesta quinta-feira, 5, em um grande ato de apoio à greve e em solidariedade ao Conselheiro de Administração da Petrobrás e membro do Sindipetro, Deyvid Bacelar, que foi agredido, algemado e preso pela Polícia Militar da Bahia na madrugada do último dia 3.

Os petroleiros paralisaram a Refinaria Landulpho Alves, em São Francisco do Conde, na Bahia, e fecharam o Trevo da Resistência, no Km 4 da BA-522, que dá acesso à empresa. No local, várias lideranças fizeram discursos criticando a ação policial, denunciando ações antissindicais da direção da Petrobras e exigindo respeito à luta aos petroleiros. 

 “Minha solidariedade ao Deyvid e a todos os trabalhadores e trabalhadoras que estão em greve”, disse o presidente da CUT, Vagner Freitas, que foi a Bahia exclusivamente para participar do ato.   .

“Lamentamos que, em um governo do PT, a PM agrida trabalhadores que estão fazendo uma greve em defesa da Petrobrás, do Brasil, do Pré-Sal e, portanto, em defesa de todos os brasileiros”, disse Vagner.

Os dirigentes da CUT Nacional e Estadual (Cedro Silva, presidente da CUT-BA também estava presente) e da FUP estão indignados com a direção da Petrobrás que, além de recorrer a ações violentas da polícia, está recorrendo também à Justiça para tentar intimidar os trabalhadores e acabar com a greve. Quem denunciou essa atitude da empresa foi Vagner, que considerou as ações da companhia um atentado contra a liberdade sindical.

Segundo ele, a Petrobrás está recorrendo à Justiça para aplicar multas altíssimas para intimidar os trabalhadores, “uma atitude claramente antissindical”.

“O Zé Maria (Rangel, coordenador-geral da FUP) acaba de me dizer que estão entrando até nas contas pessoais dos companheiros da FUP. Isso é ilegal. É um absurdo! É atentar contra a liberdade sindical”, denunciou Vagner.

O dirigente está se referindo ao uso de interditos proibitórios, instrumento jurídico que trata do direito de propriedade, para tentar coagir a chantagear o movimento sindical, impondo multas diárias absurdas. No Paraná e na Bacia de Campos, os sindicatos estão sendo multados em R$ 100 mil por dia!

E as arbitrariedades não param por aí. Além dos assédios e intimidações, a Petrobrás também recorre à força policial para tentar impedir os trabalhadores de exercerem o legítimo direito de greve. Depois que a gerência da Rlam mandou prender  Deyvid, outros episódios envolvendo as polícias Militar, Civil e até Rodoviária foram denunciados pelos trabalhadores.

Em São Paulo, dirigentes sindicais foram agredidos pela Polícia Militar no Terminal de Guararema e dois petroleiros foram presos numa ação truculenta da política militar que tenta impedir o direito de greve dos trabalhadores e trabalhadoras da Petrobrás. No Paraná, há relatos de que os policiais rodoviários circulam livremente pela Repar, sentando lado a lado dos petroleiros no refeitório.

Na opinião do presidente da CUT, ao contrário do que pretende a empresa, essas ações motivam a militância a se solidarizar e participar da greve dos petroleiros porque hoje “o petroleiro representa cada trabalhador e trabalhadora que quer defender a Petrobrás. A luta em defesa da Petrobrás é a maior luta de nossas vidas”, concluiu Vagner, que pediu uma audiência ao presidente da Petrobrás, Aldemir Bedine, Dida, para discutir o projeto “Pauta pelo Brasil” – tanto ele quanto a presidenta Dilma Rousseff já têm cópia do documento. O objetivo é discutir o conteúdo do projeto que propõe conteúdo nacional para valorizar a tecnologia nacional, a geração de emprego e o fortalecimento das empresas brasileiras, entre outras coisas.

Título: Presidente da CUT participa de ato em apoio aos petroleiros, na Bahia, Conteúdo: Trabalhadores de várias categorias profissionais se uniram aos petroleiros baianos nesta quinta-feira, 5, em um grande ato de apoio à greve e em solidariedade ao Conselheiro de Administração da Petrobrás e membro do Sindipetro, Deyvid Bacelar, que foi agredido, algemado e preso pela Polícia Militar da Bahia na madrugada do último dia 3. Os petroleiros paralisaram a Refinaria Landulpho Alves, em São Francisco do Conde, na Bahia, e fecharam o Trevo da Resistência, no Km 4 da BA-522, que dá acesso à empresa. No local, várias lideranças fizeram discursos criticando a ação policial, denunciando ações antissindicais da direção da Petrobras e exigindo respeito à luta aos petroleiros.   “Minha solidariedade ao Deyvid e a todos os trabalhadores e trabalhadoras que estão em greve”, disse o presidente da CUT, Vagner Freitas, que foi a Bahia exclusivamente para participar do ato.   . “Lamentamos que, em um governo do PT, a PM agrida trabalhadores que estão fazendo uma greve em defesa da Petrobrás, do Brasil, do Pré-Sal e, portanto, em defesa de todos os brasileiros”, disse Vagner. Os dirigentes da CUT Nacional e Estadual (Cedro Silva, presidente da CUT-BA também estava presente) e da FUP estão indignados com a direção da Petrobrás que, além de recorrer a ações violentas da polícia, está recorrendo também à Justiça para tentar intimidar os trabalhadores e acabar com a greve. Quem denunciou essa atitude da empresa foi Vagner, que considerou as ações da companhia um atentado contra a liberdade sindical. Segundo ele, a Petrobrás está recorrendo à Justiça para aplicar multas altíssimas para intimidar os trabalhadores, “uma atitude claramente antissindical”. “O Zé Maria (Rangel, coordenador-geral da FUP) acaba de me dizer que estão entrando até nas contas pessoais dos companheiros da FUP. Isso é ilegal. É um absurdo! É atentar contra a liberdade sindical”, denunciou Vagner. O dirigente está se referindo ao uso de interditos proibitórios, instrumento jurídico que trata do direito de propriedade, para tentar coagir a chantagear o movimento sindical, impondo multas diárias absurdas. No Paraná e na Bacia de Campos, os sindicatos estão sendo multados em R$ 100 mil por dia! E as arbitrariedades não param por aí. Além dos assédios e intimidações, a Petrobrás também recorre à força policial para tentar impedir os trabalhadores de exercerem o legítimo direito de greve. Depois que a gerência da Rlam mandou prender  Deyvid, outros episódios envolvendo as polícias Militar, Civil e até Rodoviária foram denunciados pelos trabalhadores. Em São Paulo, dirigentes sindicais foram agredidos pela Polícia Militar no Terminal de Guararema e dois petroleiros foram presos numa ação truculenta da política militar que tenta impedir o direito de greve dos trabalhadores e trabalhadoras da Petrobrás. No Paraná, há relatos de que os policiais rodoviários circulam livremente pela Repar, sentando lado a lado dos petroleiros no refeitório. Na opinião do presidente da CUT, ao contrário do que pretende a empresa, essas ações motivam a militância a se solidarizar e participar da greve dos petroleiros porque hoje “o petroleiro representa cada trabalhador e trabalhadora que quer defender a Petrobrás. A luta em defesa da Petrobrás é a maior luta de nossas vidas”, concluiu Vagner, que pediu uma audiência ao presidente da Petrobrás, Aldemir Bedine, Dida, para discutir o projeto “Pauta pelo Brasil” – tanto ele quanto a presidenta Dilma Rousseff já têm cópia do documento. O objetivo é discutir o conteúdo do projeto que propõe conteúdo nacional para valorizar a tecnologia nacional, a geração de emprego e o fortalecimento das empresas brasileiras, entre outras coisas.



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.