Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Os EUA e a Operação Condor: o maldito jogo de xadrez da morte

Livro Os anos do lobo

Escrito por: Leonardo Wexell Severo • Publicado em: 21/07/2014 - 15:06 Escrito por: Leonardo Wexell Severo Publicado em: 21/07/2014 - 15:06
“É imperativo que estas ações se implementem clandestinamente e com segurança, de maneira que a mão norte-americana e seu governo permaneçam bem ocultas”
Richard Helms, diretor da CIA, sobre as ações encobertas no Chile contra Allende, em 1970
 
“Os cadáveres dos assassinados passavam flutuando pelo rio e as salas de tortura não descansavam”
Descrição sobre o resultado do golpe, três anos depois
 
Stella Calloni: foram mais de 400 mil lativno-americanos vítimas da política de terrorismo de EstadoStella Calloni: foram mais de 400 mil lativno-americanos vítimas da política de terrorismo de Estado“A Operação Condor foi uma conspiração assassina entre serviços de segurança da Argentina, Chile, Brasil, Paraguai, Uruguai e Bolívia, destinada a rastrear e eliminar adversários políticos sem preocupar-se com as fronteiras ou os limites. Operação Condor  era o código para aquela multinacional do crime, cuja origem estava nas imensas oficinas da Agência Central de Inteligência (CIA) e do Burô Federal de Investigação (FBI, nos Estados Unidos”.
O “maldito jogo de xadrez da morte” foi descrito pela premiada escritora e jornalista argentina Stella Calloni em seu livro Os anos do Lobo – Operação Condor (Peña Lillo – Ediciones Continente, Buenos Aires, 1999), expõe “a política exterior de Washington em carne viva”.
Prefaciada por Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz de 1980, a obra descreve com riqueza de detalhes o envolvimento dos Estados Unidos na sequência de golpes, particularmente no Cone Sul. No ano em que se completa 50 anos da derrubada do governo de João Goulart, a publicação é mais do que um estímulo à reflexão sobre os interesses geopolíticos do imperialismo e das suas transnacionais.
“Os EUA proporcionou inspiração, financiamento e assistência técnica à repressão e pode haver plantado as sementes da Operação Condor. A CIA promoveu uma maior coordenação entre os serviços de Inteligência da região. Um historiador estadunidense atribui a uma operação da CIA a organização das primeiras reuniões entre funcionários de segurança uruguaios e argentinos para vigiar os exilados políticos. A CIA também atuou como intermediária nas reuniões entre os dirigentes dos esquadrões da morte brasileiros, argentinos e uruguaios”, relata Stella. Porém, assegura a autora, “os Estados Unidos fez mais do que organizar os encontros: a equipe de serviços técnicos da CIA subministrou equipamentos de tortura elétrica a brasileiros e argentinos, e ofereceu assessoramento sobre o grau de choques que o corpo humano poderia resistir”. Afinal, conforme advertiam os professores dos torturadores: “o ser vivo pode dar informação e um cadáver não”. “Os agentes de segurança latino-americanos também receberam treinamento da CIA quanto à fabricação de bombas, na sede da Oficina de Segurança Pública do Departamento de Estado do Texas”, informa Stella.
 
O ALERTA DE PERÓN
 
Livro "Os anos do lobo" desvenda as engrenagens da multinacional da morteLivro "Os anos do lobo" desvenda as engrenagens da multinacional da morte“As mãos dos Estados Unidos estão manchadas com o sangue de milhares de latino-americanos caídos na luta pela liberdade e independência”, alertava o líder argentino Juan Domingo Perón, ressaltando que “se equivocam os que afirmam a respeito dos EUA que estamos vivendo um período de calma”. “Que calma é esta quando estão realizando todo tipo de atividades secretas, suborno de políticos e funcionários governamentais, assassinatos políticos, atos de sabotagem, fomento do mercado negro e penetração em todas as esferas da vida política econômica e social? Sobre nossos países voam aviões militares norte-americanos enquanto nosso solo permanece em poder de seus monopólios, com bases militares”.
Naquele início dos anos 70, enquanto organizava a implementação da política de terrorismo de estado dos EUA - chamadas candidamente de “ações encobertas” - contra o governo de Salvador Allende, no Chile, o diretor da CIA, Richard Helms, abriu o jogo: “é imperativo que estas ações se implementem clandestinamente e com segurança, de maneira que a mão norte-americana e seu governo permaneçam bem ocultos”.
A maior parte das informações sobre a Operação Condor veio dos “Arquivos do Horror” descobertos pelo professor e escritor paraguaio Martin Almada no dia 7 de dezembro de 1992 numa delegacia de polícia de Assunção. Preso e torturado durante três anos, exilado por 15 anos, Almada teve sua mulher morta pela ditadura de Stroessner. Stella repercute as palavras de Almada: “Ali estavam as gravações de meus próprios gritos, quando me torturavam e que lhe fizeram escutar a minha esposa Celestina, que morreu do coração ao não poder resistir àquela tortura psicológica”.
Os documentos encontrados por Almada eram arquivos, correspondências, livros de entradas e saídas de prisioneiros, controle de fronteiras, cartas e informes entre os ditadores, os chefes militares e de segurança dos países da região, fotografias, fitas cassete, vídeos, fichas de ‘colaboradores especiais‘, dados de ‘agentes especiais’ e até mesmo correspondências trocadas por Stroessner com o alto mando militar. Na luta para passar uma borracha em passado tão comprometedor, assegura Stella, “os mesmos interesses que possibilitaram o crime, se encarregaram de minimizar o valor documental do achado”.
Entre outras provas desta “corporação internacional da morte”, como foi reconhecida pelo The Washington Post, encontram-se “as cartas dirigidas pelo coronel Robert Scherrer, do Burô de Investigações dos Estados Unidos, dirigidas a funcionários de Stroessner desde a sede diplomática em Buenos Aires”. Elas confirmavam que este era um “homem chave”, e “que sabia muito bem o que significava a Operação Condor”. “Mais ainda, alimentava com informes e solicitações de informes os criminosos, assim como outros funcionários estadunidenses e de distintos países”.
Não restam dúvidas, esclarece a escritora, é que foi no ano de 1974 que a roda da morte começou o seu giro mais “espetacular”, “pela transcendência política das vítimas”.
“Em 30 de setembro de 1974 o general chileno Carlos Prats, que havia sido ministro de Defesa de Allende, entre outros cargos e estava exilado na Argentina, foi assassinado junto a sua esposa Sofia Cuthbert em Buenos Aires. Uma bomba estourou embaixo de seu automóvel quando regressava de uma reunião com amigos.
“Em 19 de dezembro de 1974 foi assassinado em Paris, França, o coronel uruguaio Ramón Trabal, que não se mostrou disposto a participar no mais obscuro da repressão no seu país. Trabal havia confessado suas simpatias pelo movimento dos militares de esquerda em Portugal e pelos setores progressistas em seu país.
“Porém na realidade foi o assassinato de Orlando Letelier, ex-ministro da Defesa e embaixador do Chile em Washington, em setembro de 1976, no chamado ‘Bairro das Embaixadas’, o que pôs em evidência a Operação Condor. Uma bomba colocada – como se demonstraria logo – por um grupo operativo do qual participavam Michael Towley (ex-agente da CIA), enviados especiais da ditadura chilena e terroristas cubanos anti-castristas matou Letelier e sua ajudante Ronni Moffit”.
Um dos casos que teve mais “difusão pública”, recorda a escritora, foi o sequestro dos uruguaios Lilian Celiberti e Universindo Diaz e seus dois filhos, Camilo, de oito anos, e Francesca, de três, em 12 de novembro de 1978 em Porto Alegre. “Nesta operação participaram um grupo de Contrainformação da ditadura uruguaia e do DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) do Brasil, que tiveram sob sua responsabilidade o sequestro e a entrega a seus colegas do Uruguai”. Após ser torturado na sede do DOPS da capital gaúcha e nos quartéis de Montevidéu, o casal ficou preso cinco anos sob a mentirosa acusação de que tentou entrar no Uruguai “portando armamentos, documentos falsos e propaganda subversiva”. Os filhos só não tiveram o mesmo final trágico de outras centenas de crianças, arrancadas das famílias para serem criadas pelos algozes de seus pais e de seu país, porque um telefonema anônimo levou jornalistas a denunciarem o caso, que logo ganhou repercussão internacional. Após serem libertados em 1983, antes mesmo da queda da ditadura uruguaia, Lilian e Universindo se adiantaram a denunciar a barbárie. Entre as ações assassinas, Lilian citou os “voos da morte” nos quais os fascistas descartavam os patriotas.
Da mesma forma, lembra Stella Calloni, pairam fortes suspeitas sobre a participação da “Condor” nas “catástrofes aéreas” que custaram a vida em 1981 do presidente do Equador, Jaime Roldós – que se opunha às petroleiras estadunidenses – e do líder da revolução panamenha, Omar Torrijos, que garantiu a retomada do Canal.
 
MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA
 
O papel dos grandes conglomerados midiáticos na derrocada das democracias da região, via fabricação da “opinião pública” para justificar “intervenções”, é bem lembrado ao longo da obra. “A operação contra o Chile tem sido básica para analisar a importância da manipulação dos meios de comunicação para fins de desestabilização e guerra”, descreve Stela. A escritora cita o sociólogo estadunidense Fred Landis, que analisou o papel da CIA sobre a mídia contra Allende, apontando a escolha pelo Comitê de Inteligência do Senado dos EUA, já em 1974 – isto é, um ano após o golpe no Chile -, para um estudo em que, “pela primeira vez, um governo norte-americano lhe dava caráter oficial a um informe sobre atividades secretas da Agência Central de Inteligência dos EUA”.
Diante da sequência de crimes, Perón lembrava que “cada vacilação, cada dia perdido, cada passo atrás na luta contra a penetração imperialista, representa um êxito para aqueles que descaradamente seguem explorando nossa riqueza, enriquecendo-se até com o nosso sangue e nossa grandeza espiritual”.
 
“Há cifras exatas do genocídio? Ainda que resulte doloroso somar nestas circunstâncias, podemos chegar à conclusão de que mais de 400 mil latino-americanos foram vítimas de uma política de estado terrorista, cuja base esteve desenhada em Washington”, conclui Stela.
Título: Os EUA e a Operação Condor: o maldito jogo de xadrez da morte, Conteúdo: “É imperativo que estas ações se implementem clandestinamente e com segurança, de maneira que a mão norte-americana e seu governo permaneçam bem ocultas” Richard Helms, diretor da CIA, sobre as ações encobertas no Chile contra Allende, em 1970   “Os cadáveres dos assassinados passavam flutuando pelo rio e as salas de tortura não descansavam” Descrição sobre o resultado do golpe, três anos depois   “A Operação Condor foi uma conspiração assassina entre serviços de segurança da Argentina, Chile, Brasil, Paraguai, Uruguai e Bolívia, destinada a rastrear e eliminar adversários políticos sem preocupar-se com as fronteiras ou os limites. Operação Condor  era o código para aquela multinacional do crime, cuja origem estava nas imensas oficinas da Agência Central de Inteligência (CIA) e do Burô Federal de Investigação (FBI, nos Estados Unidos”. O “maldito jogo de xadrez da morte” foi descrito pela premiada escritora e jornalista argentina Stella Calloni em seu livro Os anos do Lobo – Operação Condor (Peña Lillo – Ediciones Continente, Buenos Aires, 1999), expõe “a política exterior de Washington em carne viva”. Prefaciada por Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz de 1980, a obra descreve com riqueza de detalhes o envolvimento dos Estados Unidos na sequência de golpes, particularmente no Cone Sul. No ano em que se completa 50 anos da derrubada do governo de João Goulart, a publicação é mais do que um estímulo à reflexão sobre os interesses geopolíticos do imperialismo e das suas transnacionais. “Os EUA proporcionou inspiração, financiamento e assistência técnica à repressão e pode haver plantado as sementes da Operação Condor. A CIA promoveu uma maior coordenação entre os serviços de Inteligência da região. Um historiador estadunidense atribui a uma operação da CIA a organização das primeiras reuniões entre funcionários de segurança uruguaios e argentinos para vigiar os exilados políticos. A CIA também atuou como intermediária nas reuniões entre os dirigentes dos esquadrões da morte brasileiros, argentinos e uruguaios”, relata Stella. Porém, assegura a autora, “os Estados Unidos fez mais do que organizar os encontros: a equipe de serviços técnicos da CIA subministrou equipamentos de tortura elétrica a brasileiros e argentinos, e ofereceu assessoramento sobre o grau de choques que o corpo humano poderia resistir”. Afinal, conforme advertiam os professores dos torturadores: “o ser vivo pode dar informação e um cadáver não”. “Os agentes de segurança latino-americanos também receberam treinamento da CIA quanto à fabricação de bombas, na sede da Oficina de Segurança Pública do Departamento de Estado do Texas”, informa Stella.   O ALERTA DE PERÓN   “As mãos dos Estados Unidos estão manchadas com o sangue de milhares de latino-americanos caídos na luta pela liberdade e independência”, alertava o líder argentino Juan Domingo Perón, ressaltando que “se equivocam os que afirmam a respeito dos EUA que estamos vivendo um período de calma”. “Que calma é esta quando estão realizando todo tipo de atividades secretas, suborno de políticos e funcionários governamentais, assassinatos políticos, atos de sabotagem, fomento do mercado negro e penetração em todas as esferas da vida política econômica e social? Sobre nossos países voam aviões militares norte-americanos enquanto nosso solo permanece em poder de seus monopólios, com bases militares”. Naquele início dos anos 70, enquanto organizava a implementação da política de terrorismo de estado dos EUA - chamadas candidamente de “ações encobertas” - contra o governo de Salvador Allende, no Chile, o diretor da CIA, Richard Helms, abriu o jogo: “é imperativo que estas ações se implementem clandestinamente e com segurança, de maneira que a mão norte-americana e seu governo permaneçam bem ocultos”. A maior parte das informações sobre a Operação Condor veio dos “Arquivos do Horror” descobertos pelo professor e escritor paraguaio Martin Almada no dia 7 de dezembro de 1992 numa delegacia de polícia de Assunção. Preso e torturado durante três anos, exilado por 15 anos, Almada teve sua mulher morta pela ditadura de Stroessner. Stella repercute as palavras de Almada: “Ali estavam as gravações de meus próprios gritos, quando me torturavam e que lhe fizeram escutar a minha esposa Celestina, que morreu do coração ao não poder resistir àquela tortura psicológica”. Os documentos encontrados por Almada eram arquivos, correspondências, livros de entradas e saídas de prisioneiros, controle de fronteiras, cartas e informes entre os ditadores, os chefes militares e de segurança dos países da região, fotografias, fitas cassete, vídeos, fichas de ‘colaboradores especiais‘, dados de ‘agentes especiais’ e até mesmo correspondências trocadas por Stroessner com o alto mando militar. Na luta para passar uma borracha em passado tão comprometedor, assegura Stella, “os mesmos interesses que possibilitaram o crime, se encarregaram de minimizar o valor documental do achado”. Entre outras provas desta “corporação internacional da morte”, como foi reconhecida pelo The Washington Post, encontram-se “as cartas dirigidas pelo coronel Robert Scherrer, do Burô de Investigações dos Estados Unidos, dirigidas a funcionários de Stroessner desde a sede diplomática em Buenos Aires”. Elas confirmavam que este era um “homem chave”, e “que sabia muito bem o que significava a Operação Condor”. “Mais ainda, alimentava com informes e solicitações de informes os criminosos, assim como outros funcionários estadunidenses e de distintos países”. Não restam dúvidas, esclarece a escritora, é que foi no ano de 1974 que a roda da morte começou o seu giro mais “espetacular”, “pela transcendência política das vítimas”. “Em 30 de setembro de 1974 o general chileno Carlos Prats, que havia sido ministro de Defesa de Allende, entre outros cargos e estava exilado na Argentina, foi assassinado junto a sua esposa Sofia Cuthbert em Buenos Aires. Uma bomba estourou embaixo de seu automóvel quando regressava de uma reunião com amigos. “Em 19 de dezembro de 1974 foi assassinado em Paris, França, o coronel uruguaio Ramón Trabal, que não se mostrou disposto a participar no mais obscuro da repressão no seu país. Trabal havia confessado suas simpatias pelo movimento dos militares de esquerda em Portugal e pelos setores progressistas em seu país. “Porém na realidade foi o assassinato de Orlando Letelier, ex-ministro da Defesa e embaixador do Chile em Washington, em setembro de 1976, no chamado ‘Bairro das Embaixadas’, o que pôs em evidência a Operação Condor. Uma bomba colocada – como se demonstraria logo – por um grupo operativo do qual participavam Michael Towley (ex-agente da CIA), enviados especiais da ditadura chilena e terroristas cubanos anti-castristas matou Letelier e sua ajudante Ronni Moffit”. Um dos casos que teve mais “difusão pública”, recorda a escritora, foi o sequestro dos uruguaios Lilian Celiberti e Universindo Diaz e seus dois filhos, Camilo, de oito anos, e Francesca, de três, em 12 de novembro de 1978 em Porto Alegre. “Nesta operação participaram um grupo de Contrainformação da ditadura uruguaia e do DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) do Brasil, que tiveram sob sua responsabilidade o sequestro e a entrega a seus colegas do Uruguai”. Após ser torturado na sede do DOPS da capital gaúcha e nos quartéis de Montevidéu, o casal ficou preso cinco anos sob a mentirosa acusação de que tentou entrar no Uruguai “portando armamentos, documentos falsos e propaganda subversiva”. Os filhos só não tiveram o mesmo final trágico de outras centenas de crianças, arrancadas das famílias para serem criadas pelos algozes de seus pais e de seu país, porque um telefonema anônimo levou jornalistas a denunciarem o caso, que logo ganhou repercussão internacional. Após serem libertados em 1983, antes mesmo da queda da ditadura uruguaia, Lilian e Universindo se adiantaram a denunciar a barbárie. Entre as ações assassinas, Lilian citou os “voos da morte” nos quais os fascistas descartavam os patriotas. Da mesma forma, lembra Stella Calloni, pairam fortes suspeitas sobre a participação da “Condor” nas “catástrofes aéreas” que custaram a vida em 1981 do presidente do Equador, Jaime Roldós – que se opunha às petroleiras estadunidenses – e do líder da revolução panamenha, Omar Torrijos, que garantiu a retomada do Canal.   MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA   O papel dos grandes conglomerados midiáticos na derrocada das democracias da região, via fabricação da “opinião pública” para justificar “intervenções”, é bem lembrado ao longo da obra. “A operação contra o Chile tem sido básica para analisar a importância da manipulação dos meios de comunicação para fins de desestabilização e guerra”, descreve Stela. A escritora cita o sociólogo estadunidense Fred Landis, que analisou o papel da CIA sobre a mídia contra Allende, apontando a escolha pelo Comitê de Inteligência do Senado dos EUA, já em 1974 – isto é, um ano após o golpe no Chile -, para um estudo em que, “pela primeira vez, um governo norte-americano lhe dava caráter oficial a um informe sobre atividades secretas da Agência Central de Inteligência dos EUA”. Diante da sequência de crimes, Perón lembrava que “cada vacilação, cada dia perdido, cada passo atrás na luta contra a penetração imperialista, representa um êxito para aqueles que descaradamente seguem explorando nossa riqueza, enriquecendo-se até com o nosso sangue e nossa grandeza espiritual”.   “Há cifras exatas do genocídio? Ainda que resulte doloroso somar nestas circunstâncias, podemos chegar à conclusão de que mais de 400 mil latino-americanos foram vítimas de uma política de estado terrorista, cuja base esteve desenhada em Washington”, conclui Stela.



Informa CUT

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.